Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Necrópole pré-histórica do Vale de São Martinho - detalhe

Designação

Designação

Necrópole pré-histórica do Vale de São Martinho

Outras Designações / Pesquisas

Necrópole Pré-histórica do Vale de São Martinho (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Tholos

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Sintra / Sintra (Santa Maria e São Miguel, São Martinho e São Pedro de Penaferrim)

Endereço / Local

- junto da EN 247, Sintra - Ericeira, nos terrenos do antigo Casal conhecido pelo nome de José Antunes
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 35 817, DG, I Série, n.º 187, de 20-8-1946 (ver Decreto)
Despacho ministerial de homologação de 18-02-1946
Parecer de 16-02-1946 da 2.ª Subsecção da 6.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 10-12-1945 da CM de Sintra

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Classificada em 1946 como "Imóvel de Interesse Público", a "Necrópole pré-histórica do vale de São Martinho" localiza-se entre Sintra e Ericeira, num terreno actualmente coberto por densa vegetação.
Numa altura em que as entidades culturalmente mais esclarecidas do Mundo Ocidental despertavam para o conhecimento de um passado humano cronologicamente bastante mais remoto do que a Igreja afirmara ao longo dos séculos, reconfiguraram-se projectos de índole nacionalista nessa base, instigou-se a perscrutação das raízes mais profundas de um ser, viver e sentir nacional, regional e/ou local que suportasse teoricamente determinadas linhas de actuação política oitocentista.
Mas não só, pois decorreu ao mesmo tempo um amplo movimento de puro conhecimento científico de alicerces positivistas, que, entre nós, ganhou forma nas figuras de individualidades tão marcantes, quanto precursoras da actividade arqueológica, como as de Francisco Martins de G. M. Sarmento (1833-1899), V. do M. Gabriel Pereira (1847-1911), Estácio da Veiga (1828-1891) e Carlos Ribeiro (1813-1882). A partir de então, a investigação assumiu contornos mais sistemáticos, ao permitirem um arrolamento coeso e comparação formal mais sólida, uma abordagem absolutamente essencial ao estabelecimento da sua atribuição cronológica, um dos objectivos centrais destes homens de excepção da intelectualidade oitocentista. Persistia, contudo, o anterior sentido "antiquarista" assumido por representantes das mais diversas profissões e interesses particulares, perfeitamente compreensível numa época em que a Arqueologia começava a conquistar o seu próprio campo disciplinar.
Estamos, assim, em presença de um dos arqueossítios que melhor testemunhou esta última condição, ao ter sido explorado na última década de noventa do século XIX por Maximiano Apolinário, uma das personalidades que mais se empenhou na prospecção da região situada entre Sintra e Ericeira. E terá sido ele uma das primeiras (e últimas) individualidades a observar o esmagamento dos esqueletos inumados, depositados em posição fetal, causado pelo abatimento da abóbada de um dos hipogeus (ou tholoi), posteriormente deslocados pelo proprietário do terreno.
O conjunto funerário é constituído por dois tholoi de aparente configuração semicircular, com corredor orientado a Este. Datáveis do terceiro milénio a.C., e, por isso mesmo, situado, grosso modo, no entendimento genérico de Calcolítico, o monumento apresenta-se bastante destruído, embora tenha sido possível recolher boa parte do espólio que acompanhava as diversas inumações, cujos componentes são bem característicos desta tipologia sepulcral. Disso são testemunho os fragmentos cerâmicos, as pontas de seta, machados e objectos votivos executados em osso e calcário da região, depositados no Museu Nacional de Arqueologia e no Museu de Vila Nova de Gaia.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Die Megalithgraber der Iberischen Halbinsel: der Westen, Madrider Forschungen

Local

Berlim

Data

1959

Autor(es)

LEISNER, Vera, LEISNER, Georg Klaus

Título

Roteiros da Arqueologia Portuguesa I. Lisboa e Arredores.

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

CORREIA, Susana Helena, LOURENÇO, Fernando Severino, MARQUES, Maria Teresa Fonseca Correia, ARAÚJO, Ana Cristina Reis da Silva

Título

O povoado fortificado neo e eneolítico da Serra das Baútas ( Carenque, Belas), O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1972

Autor(es)

GAMITO, Teresa Júdice, ARNAUD, José Eduardo Morais

Título

Castro de Vila Nova de São Pedro XIII. Recipientes de osso e de calcáreo, Conimbriga

Local

Coimbra

Data

1960

Autor(es)

PAÇO, Manuel Afonso do

Título

Extensão cultural do Museu Etnológico. A) O Instituto Português de Arqueologia, História e. Etnografia, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1953

Autor(es)

VV. A. A.

Título

Sepulturas pré-históricas de caracter mycenense, O Arqueólogo Português

Local

Lisboa

Data

1902

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

Sintra

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

SERRÃO, Vítor