Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte sobre o rio Ceira e capela hexagonal situada a sul da mesma ponte, incluindo o seu recheio de talha dourada - detalhe

Designação

Designação

Ponte sobre o rio Ceira e capela hexagonal situada a sul da mesma ponte, incluindo o seu recheio de talha dourada

Outras Designações / Pesquisas

Ponte sobre o Rio Ceira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Capela de São Sebastião (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Góis / Góis

Endereço / Local

-- --
Góis

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 95/78, DR, I Série, n.º 210, de 12-09-1978 (esclareceu que a classificação passou a abranger também a capela haxagonal situada a sul da mesma ponte, incluindo o seu recheio de talha dourada) (ver Decreto)
Decreto n.º 735/74, DG, I Série, n.º 297, de 21-12-1974 (classificou a ponte) (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Construída sobre o rio Ceira, frente ao centro histórico da vila, a ponte de Góis foi edificada em 1533. No século XVIII erigiu-se, na sua extremidade oeste, uma pequena capela dedicada a São Sebastião.
A estrutura da ponte, de silharia regular, é formada por três arcos apontados em forma de quilha; o arco do meio possui maior vão e altura que os restantes, ostentando nas guardas a jusante um relevo com o escudo nacional ladeado por cruzes de Cristo encimando esferas armilares.
Em 1868 a ponte foi calcetada de novo, o que originou a elevação do pavimento em 10 centímetros e conferiu ao tabuleiro a forma abaulada que possui atualmente. Na mesma campanha de obras foram executados os passeios laterais.
A capela adjacente, de planta hexagonal centralizada, exibe tramos marcados por pilastras e rasgados por óculo polilobado. Na face principal apresenta um portal de gosto barroco, flanqueado por pilastras duplas e encimado por cartela com volutas decorada com um conjunto de setas, alusivas ao padroeiro São Sebastião. O conjunto do portal é rematado por frontão interrompido por óculo com cruz, ladeado por fogaréus. Lateralmente ostenta, à esquerda, o volume da sacristia e, à direita, uma sineira assente sobre o pano murário. O interior do pequeno templo é um espaço único coberto por cúpula com fecho de pedra. Exibe um púlpito de madeira policromada e, ao fundo, o retábulo de talha dourada e policromada, rematado por resplendor segurado por figuras de anjos, que alberga as imagens de vulto de São Sebastião e de Nossa Senhora da Conceição, de manufatura setecentista, e as dos santos Cosme e Damião, datadas do século XIX.
História
A ponte sobre o rio Ceira foi mandada edificar por D. João III em 1533, como atesta o alvará promulgado a 20 de abril desse ano, através do qual o monarca encarregava Simão Fernandes, escudeiro-mor da vila de Recardães, de "Veador [da obra] e Recebedor do dinheiro da pomte que tenho mandado fazer na Villa de Guoes". A obra da ponte revestiu-se da maior importância, uma vez que até então o rio era atravessado a vau.
A data de fundação da Capela de São Sebastião permanece desconhecida; sabe-se que em 1708 Manuel Dias Ourives instituiu um vínculo destinado ao culto na mesma, por disposição testamentária, não se sabendo se o edifício existia já à data.
No entanto sabe-se que à época da sua construção, o local onde se implanta o templo marcava uma das entradas da vila. Este tipo de localização era comum a muitas igrejas dedicadas ao santo mártir; uma vez que São Sebastião protegia as populações contra a fome, as pestes e a guerra, as capelas que lhe eram dedicadas erguiam-se à entrada das povoações servindo como "barreira protetora" das mesmas.
Em 1810 o edifício sofreu um incêndio, deflagrado pelas tropas de Massena, durante a terceira invasão francesa, sendo restaurada em 1850.
Catarina Oliveira
DGPC, 2016

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal: distrito de Coimbra

Local

Lisboa

Data

1952

Autor(es)

GONCALVES, António Nogueira, CORREIA, Vergílio

Título

Notícia histórica e topográfica da vila de Goes e seu termo

Local

-

Data

-

Autor(es)

NEVES, J. Afonso Baeta

Título

Arquivo histórico de Góis

Local

Torres Vedras

Data

1956

Autor(es)

RAMOS, Mário Parede