Saltar para o conteúdo principal da página

Lagar do Fial - detalhe

Designação

Designação

Lagar do Fial

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Lagar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Tondela / Vilar de Besteiros e Mosteiro de Fráguas

Endereço / Local

Casal de Cima
Pinhal do Fial

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 26-A/92, DR, I Série-B, n.º 126, de 1-06-1992 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sítio
O Lagar do Fial também conhecido como Lagareta do Vinhal localiza-se no, na União das freguesias de Vilar de Besteiros e Mosteiro de Fráguas, concelho de Tondela, sensivelmente a 1 km, em linha reta, a noroeste da povoação de Nandufe numa zona florestal.
Trata-se de um lagar de vinho rupestre, escavado num afloramento granítico que apresenta um ligeiro declive. A totalidade da superfície talhada estende-se por um comprimento de 7 metros e cerca de 3 de largura. A pia de pisa, de planta retangular, está ligada por um canal a um pio semicircular, descentrado do eixo da estrutura.
Apesar de serem bastante comuns no norte e centro do pais, encontrando-se vestígios semelhantes em Gumirães - Lagareta do Pinhó, em Loureiro de Silgueiros - Lagareta da Quinta do Espinhal, Vila Chã de Sá - Lagareta da Corga e Lagareta da Pedra do Altar, Parada de Gonta - Lagareta de Parada de Gonta, só para citar alguns, mereceram pouca atenção por parte dos investigadores. A inexistência de vestígios associados dificulta a sua total compreensão e, na maior parte dos casos, não permite a atribuição de uma cronologia segura. Catarina Tente apresenta, no entanto, uma proposta de datação que remete para a um período posterior à Alta Idade Média, eventualmente Baixa Idade Média ou até Época Moderna, com base na prática de adaptação das sepulturas rupestres a lagares tipologicamente idênticos ao do Fial. Deverá ser igualmente ser considerada a permanência deste modelo de lagar até ao século passado, o que dificulta igualmente essa atribuição.

História
A bibliografia disponível é omissa no que respeita a dados relativos a este engenho. Os trabalhos arqueológicos realizados limitaram-se a uma campanha de limpeza promovida pela Associação Recreativa e Cultural de Caparrosinha e decorreram em 1995, sob a orientação cientifica de Cristina Marques e Maria Clara André.
Ana Vale
DGPC, 2019

Bibliografia

Título

Roteiro Arqueológico da Região de Turismo Dão Lafões

Local

Viseu

Data

1994

Autor(es)

VAZ, João Luís da Inês, PEDRO, Ivone dos Santos da Silva, ADOLFO, Jorge

Título

Lagares, lagaretas ou lagariças rupestres da vertente noroeste da Serra da Estrela, Revista Portuguesa de Arqueologia, volume 10, nº. 1

Local

-

Data

2007

Autor(es)

TENTE, Catarina