Saltar para o conteúdo principal da página

Mamoa e gravuras rupestres conhecidas por «as Pegadinhas de São Gonçalo», a 16 m e 30 m, respectivamente, do «Menir de Luzim» - detalhe

Designação

Designação

Mamoa e gravuras rupestres conhecidas por «as Pegadinhas de São Gonçalo», a 16 m e 30 m, respectivamente, do «Menir de Luzim»

Outras Designações / Pesquisas

Mamoa da Tapada de Sequeiros
Pegadinhas de São Gonçalo da Tapada de Sequeiros / Mamoa e gravuras rupestres / Pegadinhas de São Gonçalo / Mamoa da Tapada de Sequeiros(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Arte Rupestre

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Penafiel / Luzim e Vila Cova

Endereço / Local

-- a 16 m da mamoa e a 30 m do menir de Luzim
Luzim

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 251/70, DG, I Série, n.º 129, de 3-06-1970 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Amplamente conhecido pela abundância de vestígios arqueológicos, o território correspondente na actualidade ao concelho de Penafiel revela-se particularmente rico em exemplares megalíticos (Cf. LEAL, António J. M. da Cunha, 1988), sendo de igual modo visíveis alguns testemunhos de Arte rupestre, destacando-se "[...] o facto de se verificar no núcleo de mamoas da Tapada de Sequeiros - Luzim um fenómeno de necropolização bastante curioso e interessante que alia, de certa forma, a nuclearização, a uma variante modesta da monumentalização." (STOCKLER, C., 2000, p. 82).
É o caso do arqueossítio conhecido por Gravuras rupestres designadas por Pegadinhas de S. Gonçalo, localizado no cimo de uma encosta sobranceira à ribeira das Lajes, junto à Mamoa da Tapada de Sequeiros, destinada a cobrir, na totalidade, a primitiva câmara sepulcral megalítica, da qual não remanesce qualquer fragmento dos esteios que a comporiam.
Com efeito, a Mamoa de Luzim, como é também conhecida, foi construída durante o Neo-calcolítico definido para esta região do actual território português, de forma relativamente isolada, nas proximidades de outro arqueossítio megalítico, o Menir de Luzim.
Apesar do mau estado de conservação em que se encontra, não apresentando qualquer esteio dos que formavam originalmente a câmara funerária, sendo, pelo contrário, bem visível o negativo da sua violação, ocorrida em tempo incerto, mas provavelmente perpetrada por quem buscava no seu interior algum tesouro encantado ou, muito simplesmente, material passível de utilização em construções mais adequadas às novas necessidades de um quotidiano agrícola, ainda se observam vestígios da couraça pétrea do primitivo tumulus, com cerca de 14 m de diâmetro.
O pedido de classificação refere-se a um afloramento granítico com a superfície gravada com vários sulcos e covinhas. Características que chamaram, desde logo, a atenção de investigadores desde os primeiros decénios de novecentos, motivando a sua alusão, por parte de um dos maiores especialistas portugueses em Arte rupestre de então, numa conferência proferida no âmbito das comemorações do bicentenário da fundação da nacionalidade, realizadas em Lisboa, no ano de 1940 (Cf., por exemplo, SANTOS JÚNIOR, J. R. dos, 1940).
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

O menir de Luzim, Penafiel, Memórias e Comunicações do Congresso do Mundo Português

Local

-

Data

1940

Autor(es)

AGUIAR, José Monteiro de, SANTOS JÚNIOR, Joaquim Rodrigues dos

Título

O megalitismo no concelho de Penafiel, Penafiel - Boletim Municipal de Cultural

Local

Penafiel

Data

1988

Autor(es)

LEAL, António J. M. da Cunha

Título

Monte Mosinho, Boletim da Associação dos Arqueólogos Portugueses

Local

Lisboa

Data

1920

Autor(es)

ANDRADE, Vieira de

Título

Inventário de objectos e lugares com interesse arqueológico, Revista de Etnografia

Local

-

Data

1967

Autor(es)

LANHAS, Fernando

Título

Guia de Portugal, v.4, t. I : Entre Douro e Minho, Douro Litoral

Local

Lisboa

Data

1983

Autor(es)

PROENÇA, Raul

Título

A consolidação do sistema agro-pastoril, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

Arte rupestre, Congresso do Mundo Português, Lisboa, 1940 - Memórias e Comunicações apresentadas ao Congresso da Pré e Proto-História de Portugal (I Congresso)

Local

Lisboa

Data

1940

Autor(es)

SANTOS JÚNIOR, Joaquim Rodrigues dos

Título

Reflexões sobre a ocupação humana no Douro Litoral, Al-madan

Local

Almada

Data

2000

Autor(es)

STOCKLER, Carla

Título

Inventários de objectos e lugares com interesse arqueológico, Revista de Etnografia

Local

Porto

Data

1965

Autor(es)

LANHAS, Fernando, BRANDÃO, Pinho Domingos