Saltar para o conteúdo principal da página

Gruta do Poço Velho - detalhe

Designação

Designação

Gruta do Poço Velho

Outras Designações / Pesquisas

Gruta do Poço Velho(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Gruta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

Largo das Grutas
Cascais

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 47 508, DG, I Série, n.º 20, de 24-01-1967 (ver Decreto)
Despacho de homologação de 31-05-1965 do Secretário de Estado da Administração Escolar
Parecer de 24-03-1965 da 2.ª Subsecção da 6.ª Secção da JNE a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de Outubro de 1964 da DGEMN

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sítio
A designada Gruta do Poço Velho localiza-se em contexto urbano, no centro da vila de Cascais, próximo do jardim "Visconde da Luz", numa faixa calcária que corresponde à margem direita da Ribeira das Vinhas que, nesta zona, se encontra encanada debaixo do pavimento.
A gruta é na realidade composta por duas cavidades que chegam a atingir seis metros de altura encontrando-se ligadas por um labirinto de galerias freáticas comunicantes entre si, galerias estas que, em alguns pontos, possuem apenas uma altura aproximada de sessenta centímetros. O acesso à gruta é feito por duas entradas diferenciadas hoje protegidas por uma estrutura de betão devidamente gradeada.
Esta gruta seria aproveitada desde pelo menos o Paleolítico Superior, tendo sido utilizada como necrópole a partir do Neolítico Final - Calcolítico (4º e 3.º milénios a. C.). Refira-se que, neste no local, foram exumados pelo menos cento e quinze indivíduos.
Nas diversas intervenções realizadas na gruta foi exumado um considerável número de artefactos abrangendo uma diacronia bastante longa - desde o Paleolítico Superior à Idade Moderna. Os objetos mais antigos identificados nas galerias foram duas peças líticas Soultrenses, sendo que a maior parte do espólio encontrado reporta-se ao Neolítico Final e Calcolítico, precisamente o período em que o sítio foi utilizado como necrópole, sendo de destacar vários exemplares de carácter sagrado ou votivo executados em calcário, como os ídolos cilíndricos, uma representação de uma enxó encabada, fragmentos de uma figuração em crescente lunar, placas de xisto e ainda alguns elementos de adorno.
Foram ainda recolhidos inúmeros testemunhos que revelam a importância da sua proximidade ao mar, como conchas de vieiras e outros univalves e bivalves, possivelmente relacionados com oferendas funerárias.
O espólio recolhido encontra-se hoje depositado no Museu Geológico do Laboratório Nacional de Energia e Geologia e na Câmara Municipal de Cascais.

História
O arqueossítio Gruta do Poço Velho terá sido identificado ainda no século XIX, pelo engenheiro-geólogo Carlos Ribeiro que levou a cabo escavações no local em 1879 permitindo recolher um elevado número de artefactos de diversas épocas.
No ano seguinte, em 1880, as grutas foram objeto de visita por parte dos membros da IX sessão do "Congrés Internacional d'Anthropologie et d'Archéologie Préhistoriques (CIAAP)". Ainda no final de oitocentos, alguns investigadores, como José Leite de Vascocellos alertam para o estado de degradação do sítio devido à crescente pressão imobiliária tendo sido registados os primeiros atentados à sua integridade.
Em 1942 Afonso do Paço leva a cabo a segunda grande exploração das grutas, sendo a terceira campanha arqueológica realizada poucos anos depois (1946-47) pelo Engenheiro Abreu Nunes. Durante esta escavação é recuperado um importante conjunto de artefactos que confirma uma maior antiguidade da ocupação do sítio. Foi durante esta campanha que se procedeu também à limpeza e instalação de iluminação na gruta.
Atualmente a Gruta do Poço Velho apenas se encontra aberta no dia dos Monumentos e Sítios (18 de abril), sendo também possível visitar o espaço mediante reserva prévia junto dos serviços da Câmara Municipal de Cascais.

Ana Teresa Henriques e Maria Ramalho/DGPC/2018.

Imagens

Bibliografia

Título

Antiguidades Monumentaes do Algarve 4. Tempos Prehistoricos.

Local

-

Data

-

Autor(es)

VEIGA, Sebastião Filipe Martins Estácio da

Título

O Paleolítico Superior da Estremadura portuguesa

Local

-

Data

-

Autor(es)

ZILHÃO, João

Título

Les Âges Préhistoriques de l'Espagne et du Portugal.

Local

-

Data

1884

Autor(es)

CARTAILHAC, Emile

Título

Descoberta em Cascais de uma jazida com fauna quaternária, Revista de Guimarães

Local

Guimarães

Data

1968

Autor(es)

FERREIRA, Octávio da Veiga

Título

Novos achados arqueológicos das Grutas de Cascais, Actas e Memórias do 1º Congresso Nacional de Arqueologia, Lisboa, 1958

Local

Lisboa

Data

1959

Autor(es)

PAÇO, Manuel Afonso do, BÁRTHOLO, Maria de Lourdes, BRANDÃO, A.