Saltar para o conteúdo principal da página

Poço-cisterna árabe de Silves - detalhe

Designação

Designação

Poço-cisterna árabe de Silves

Outras Designações / Pesquisas

Poço-cisterna Árabe de Silves (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Cisterna

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / Silves

Endereço / Local

Rua das Portas de Loulé, adossada à face interior da muralha que cerca a cidade e perto da porta da Almedina
Silves

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 29/90, DR, I Série, n.º 163, de 17-07-1990 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Identificado em finais de 1979, o poço-cisterna almóada constituiu-se como uma obra emblemática tanto da Silves islâmica, como da dinâmica arqueológica verificada na cidade ao longo das últimas duas décadas e meia. A sua investigação permitiu conhecer substancialmente melhor o derradeiro período de ocupação islâmica da urbe, entre as duas conquistas cristãs (1189 e 1249). Por outro lado, a posterior integração no circuito de visita do Museu Municipal de Arqueologia de Silves assinalou uma relação cultural entre cidade e arqueologia, que corresponde a uma realidade local incontornável nos dias de hoje.
O local onde a cisterna foi construída revelou materiais de épocas anteriores à ocupação islâmica, salientando-se numeroso espólio atribuível aos períodos tardo-romano e visigótico-bizantino, que testemunha a continuidade de ocupação pela Alta Idade Média (GOMES, 2002, p.109). A sua construção determinou também a destruição de algumas estruturas anteriores, designadamente um troço omíada (GOMES e GOMES, 1996, p.148), de que se sabe muito pouco a respeito da sua importância para a organização desta parcela da cidade nos séculos IX e X.
Foi nos "finais do século XII ou nos inícios da centúria seguinte" (IDEM, p.146), que este espaço adquiriu a actual forma, datando desse período a construção do poço-cisterna. Ele implantou-se relativamente perto de uma torre albarrã, também ela de construção almóada, o que revela que, após a primeira conquista da cidade, por D. Sancho I, o local foi objecto de uma reforma urbanística de grande porte, responsável pelo essencial da configuração final da principal entrada na cidade islâmica.
O poço é uma estrutura monumental circular, com 2,45 m de diâmetro na boca e mais de 18 m de profundidade. O acesso interior é efectuado por uma escadaria relativamente ampla (c.1,20 m de largura por 2,20 m de altura média), que vai rodeando o poço em forma de espiral, e na qual se abrem três janelas, a alturas distintas, que permitem o acesso à água de acordo com os níveis de enchimento do poço, solução que, por sua vez, permite um maior arejamento da água em reservatório (IDEM, p.147). De um ponto de vista construtivo, a cisterna não apresenta novidades, recorrendo a um aparelho relativamente cuidado, embora com blocos um tanto irregulares, disposto em fiadas horizontais e ligados com terra. Ao que tudo indica, este aparelho foi concebido para ser argamassado e coberto com uma solução de estuque e de cal, de que ainda foram descobertos alguns vestígios.
A cisterna é uma obra rara, mesmo em meios urbanos islâmicos. Em Silves, possuímos outros poços de abastecimento de água, como as cisternas da Moura e dos Cães (ambas na Alcáçova) ou uma mais recente, sob a Sé, escavada por Teresa Gamito. Mas a circunstância de possuir uma escadaria espiralada de acesso ao interior é factor de diferenciação (TORRES, 1997, pp.441-442). Os próprios autores que o escavaram encontraram um paralelo longínquo em Tuna al Gabal, a Sul do Cairo, uma cisterna de origem romana, cuja escadaria, também espiralada, atinge os 14 m de profundidade (IDEM, p.147).
Os vestígios materiais identificados no interior do poço revelam que a estrutura foi entulhada nos finais do século XVI, tendo ainda aparecido cinco reais do reinado de D. Sebastião (IDEM, p.149). O facto de não ser referido no Livro do Almoxarifado de Silves, que data da década de 70 do século XV, levou os mesmos autores a colocarem a hipótese de ele ter sido desactivado pouco antes, por volta de meados de Quatrocentos (CARDOSO e GOMES, 1996, p.207). Significativos são os numerosos elementos cerâmicos resgatados, "importantes para a reconstituição da vida quotidiana dos Portugueses, durante os séculos XV e XVI" (GOMES e GOMES, 1996, p.148) e, até ao momento, o mais homogéneo núcleo cerâmico baixo-medieval da cidade. Dele fazem parte peças de importação valenciana e sevilhana, assim como outras de fabrico italiano, holandês e chinês, e de cariz local.
PAF

Imagens

Bibliografia

Título

O al Garbe, 90 séculos entre a serra e o mar, pp.431-447

Local

-

Data

1997

Autor(es)

TORRES, Cláudio

Título

Cerâmicas vidradas e esmaltadas, dos seculos XIV, XV e XVI, do Poco-cisterna de Silves, Xelb, nº3, pp.143-205

Local

Silves

Data

1993

Autor(es)

GOMES, Rosa M. Mendonça Varela, GOMES, Mário Varela

Título

Silves (Xelb), uma cidade do Gharb al-Andalus: território e cultura

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

GOMES, Rosa Varela

Título

A cisterna árabe e a sua possível ligação à mesquita maior da cidade, Monumentos, nº23, pp.56-61

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

GAMITO, Teresa Júdice

Título

O poço cisterna árabe de Silves (Portugal), I Coloquio de Historia y Medio Físico. El água en zonas aridas: Arqueologia y Historia, vol. II, pp.577-606

Local

Almería

Data

1989

Autor(es)

GOMES, Mário Varela, GOMES, Rosa Varela

Título

Cerâmicas vidradas e esmaltadas, dos séculos XIV, XV e XVI do poço-cisterna de Silves, A cerâmica medieval no Mediterrâneo Ocidental, pp.457-490

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

GOMES, Mário Varela, GOMES, Rosa Varela

Título

Cerâmicas muçulmanas do Castelo de Silves

Local

Silves

Data

1987

Autor(es)

GOMES, Rosa Varela

Título

Cerâmicas importadas dos séculos XV e XVI, encontradas no poço-cisterna árabe de Silves, Actas do 3º Congresso sobre o Algarve, vol. I, pp.35-44

Local

Silves

Data

1984

Autor(es)

GOMES, Mário Varela, GOMES, Rosa Varela

Título

Contributo para o estudo das faunas encontradas no poço-cisterna de Silves (séculos XV-XVI), Xelb, nº3, pp.207-268

Local

Silves

Data

1996

Autor(es)

GOMES, Mário Varela, CARDOSO, João

Título

Da Silves islâmica à Silves da expansão. A evidência arqueológica, Monumentos, nº23, pp.22-29

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

GOMES, Rosa Varela

Título

Silves. Guia turístico da cidade e do concelho

Local

Silves

Data

2002

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia

Título

A arquitectura militar muçulmana, Portugal no Mundo. História das fortificações portuguesas no mundo, 1989, pp.27-37

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

GOMES, Rosa Varela