Saltar para o conteúdo principal da página

Via Romana XVIII (Geira), no seu traçado por Terras de Bouro, da milha XIV (Santa Cruz) à milha XXXIV (Albergaria), incluindo todas as estruturas arqueológicas associadas - detalhe

Designação

Designação

Via Romana XVIII (Geira), no seu traçado por Terras de Bouro, da milha XIV (Santa Cruz) à milha XXXIV (Albergaria), incluindo todas as estruturas arqueológicas associadas

Outras Designações

Via Romana XVIII (Geira), no seu traçado por Terras de Bouro - da milha XIV (Santa Cruz) à milha XXXIV (Albergaria), incluindo todas as estruturas arqueológicas a elas associadas, como sejam as ruínas das pontes sobre a ribeira do Forno e a ribeira da Macieira, bem como os arranques da Ponte de S. Miguel, esta sobre o rio Homem, mutatio (milha XXX) e diversas pedreiras, juntamente com as ruínas arqueológicas do Adro de S. João, concelho de Terras de Bouro.

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Via

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Terras de Bouro / Balança; Campo do Gerês; Carvalheira; Chamoim e Vilar; Chorense e Monte; Covide; Ribeira

Endereço / Local

- -
Terras de Bouro (várias freguesias)

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 5/2013, DR, 1.ª série, n.º 86, de 6-05-2013 (sem restrições) (ver Decreto)
Procedimento (indevidamente) prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de homologação de 26-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 25-03-2003 da DR do Porto para a classificação como MN
Proposta de reclassificação da CM de Terras do Bouro e do Parque Nacional da Peneda-Gerês (Setembro 2011), de forma a obter uma melhor definição do objecto classificado, limitado a conjuntos de marcos miliários, sem inclusão da própria via
Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O território abrangido, na actualidade, pelo concelho de Terras de Bouro é particularmente rico em vestígios da presença romana, nomeadamente no que se refere a elementos remanescentes do processo de afirmação do Império romano, que contemplava a implementação de uma política administrativa assente em dois vectores vitais para a sua perpetuação: na definição de unidades político-administrativas e no traçado de vias que assegurassem uma ligação permanente e célere entre os principais centros (Cf. ALARCÃO, Jorge Manuel N. L., 1990).
E a presente proposta de reclassificação reporta-se, justamente, a um destes exemplares, ou seja, à "Via Romana XVIII (Geira) no seu traçado por Terras de Bouro, da milha XIV (Santa Cruz) à milha XXXIV (Albergaria), incluindo todas as estruturas arqueológicas a ela associadas".
Na verdade, alguns troços desta via - vulgarmente conhecida por "Geira" - mereceu desde cedo a atenção dos precursores da investigação arqueológica portuguesa, entre finais do século XIX e inícios de novecentos, tendo sido incluídos (no caso da "Geira - 35 marcos miliários, série Capela") no primeiro (1910) decreto português de classificação de estruturas antigas como "monumentos nacionais, numa comprovação do interesse que a Arqueologia ia merecendo entre nós, mesmo que em circuitos ainda demasiado restritos da sociedade.
Uma atenção especialmente redobrada pelo facto da Via XVIII perfazer, a partir da dinastia flaviense (segunda metade do século I d. C.) a ligação entre localidades tão importantes, quanto as de Bracara Augusta (Braga) e Asturica Augusta (Astorga), razão pela qual foi referida no conhecido "Itinerário de Antonino" (Cf. ENCARNAÇÃO, J. d', LEMOS, F. S., BAPTISTA, A. M., 1995).
Unindo populi e civitates (as mais vulgares unidades político-administrativas romanas, aproximadas, no que à área abrangida se referia, aos actuais distritos, centralizadas em torno de uma capital, à qual se subordinavam outras unidades urbanas e a respectiva população rural), esta via assumiu contornos especialmente estratégicos para circulação de bens e pessoas, num momento particular de expansão e crescimento económico do Império romano, fortalecido pelos recursos auríferos existentes no actual termo galego.
O trajecto em epígrafe, distribuído ao longo de aproximadamente seis milhas (XXIX, XXX, XXXI, XXXII, XXVIII e XXXIV), duas das quais (XXIX e XXXIV) inseridas no Parque Nacional da Peneda-Gerês, distribuindo-se ao longo das freguesias de Souto, Ribeira, Balança, Choucense, Vilar, Chamoim, Carvalheira, Covide e Campo do Gerês, engloba de igual modo, e como seria de esperar, inúmeros fragmentos de marcos miliários (c. de 200), a par de algumas pontes, elementos de circulação reutilizados já em plena Idade Média, numa confirmação da lógica do traçado romano, como sejam as ruínas das pontes sobre a ribeira do Forno e a ribeira da Macieira, bem como os arranques da Ponte de S. Miguel, esta sobre o rio Homem, mutatio (milha XXX) e ainda diversas pedreiras, juntamente com as ruínas arqueológicas do Adro de S. João.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

"O Reordenamento Territorial, Nova História de Portugal: Portugal das origens à romanização"

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

"Portugal Romano, História Mundi"

Local

Lisboa

Data

1983

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

"O Povoamento Proto-Histórico e a Romanização da Bacia do curso médio do Cávado, Cadernos de Arqueologia (Monografia)"

Local

Braga

Data

1990

Autor(es)

-

Título

"Portugal Romano"

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

"Roman Portugal"

Local

Warminster

Data

1988

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

"A via XVIII do Itinerário de Antonino na Serra do Gerês-Xurés"

Local

Braga

Data

1995

Autor(es)

LEMOS, Francisco Sande, ENCARNAÇÃO, José d', BAPTISTA, António Martinho

Título

"Estradas militares romanas de Braga a Astorga, Memórias da Academia de Sciências de Lisboa. Classe de Sciências Moraes, Políticas e Bellas Artes"

Local

Lisboa

Data

1901

Autor(es)

SARMIENTO, Martin

Título

"O estudo e restauro da geira romana na Serra do Gerês, Giesta"

Local

Braga

Data

1980

Autor(es)

BAPTISTA, António Martinho