Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto na Zona do Campo Alegre / Arrábida, junto às Ruas do Campo Alegre, da Rainha D. Estafânia, do Bom Sucesso e da Travessa do Campo Alegre - detalhe

Designação

Designação

Conjunto na Zona do Campo Alegre / Arrábida, junto às Ruas do Campo Alegre, da Rainha D. Estafânia, do Bom Sucesso e da Travessa do Campo Alegre

Outras Designações / Pesquisas

Conjunto na Zona do Campo Alegre / Arrábida, junto às Ruas do Campo Alegre, da Rainha D. Estafânia, do Bom Sucesso e da Travessa do Campo Alegre (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Lordelo do Ouro e Massarelos

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

A classificação como VC foi convertida para IM nos termos do n.º 2 do art.º 112.º da Lei n.º 107/2001, publicada no DR, I Série-A, N.º 209, de 8-09-2001
Decreto n.º 8/83, DR, I Série, n.º 19, de 24-01-1983 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Distribuído ao longo das Ruas do Campo Alegre, da Rainha D. Estefânia e do Bom Sucesso, assim como da Travessa do Campo Alegre, o "Conjunto na Zona do Campo Alegre" notabiliza-se pelas moradias erguidas entre os séculos XIX e XX, a maior parte das quais envolta em frondosos jardins e restaurada pela edilidade portuense nas proximidades dos denominados "Caminhos Românticos", dos quais se vislumbrava o porto de Gaia, pontuado das inúmeras caves do vinho do Porto.
Na verdade, as Ruas de D. Estefânia e do Campo Alegre revelaram todo o seu esplendor quando, durante a segunda metade do século XIX, nelas habitaram famílias económica, social, cultural e politicamente consideradas pela cidade, conferindo às suas artérias uma importância acrescida, numa época em que se assistia à consolidação da vivência burguesa sob forte influência dos saberes e dos gostos de famílias estrangeiras que chegavam ao Porto e nele se instalavam, enquanto se consagravam às actividades comerciais.
Disto é exemplo o palacete da família Burmester, construído na linha gramatical da "Arte Nova", tão em voga ao tempo. Mas também o foram os palacetes das famílias Andresen e Primo Madeira, este último reputado industrial têxti, assim como o caso da moradia pertencente à família Van Zeller, hoje ocupada por um colégio religioso, a par de uma residência típica da arquitectura da colónia inglesa, na qual teriam, segundo a tradição, habitado as personagens inspiradoras do conhecido romance Uma Família Inglesa, de Júlio Dinis (1839-1871).
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Itinerário romântico do Porto

Local

Porto

Data

1962

Autor(es)

Conde de Aurora (Segundo)

Título

Ciclo romântico

Local

Porto

Data

1988

Autor(es)

-

Título

No vale de Massarelos, os caminhos do romântico

Local

Maia

Data

2001

Autor(es)

SERÉN, Maria do Carmo, FURTADO, José Afonso