Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Teatro Sá da Bandeira - detalhe

Designação

Designação

Teatro Sá da Bandeira

Outras Designações / Pesquisas

Teatro do Príncipe Real (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Teatro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Rua Sá da Bandeira
Porto

Número de Polícia: 94-108

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 101/2020, DR, 2.ª série, n.º 20, de 29-01-2020 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 11-12-2019 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 161/2019, DR, 2.ª série, n.º 176, de 13-09-2019 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 24-07-2019 da diretora-geral da DGPC
Parecer favorável de 19-06-2019 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 6-02-2019 da DRCN para a classificação como MIP
Anúncio n.º 64/2018, DR, 2.ª série, n.º 85, de 3-05-2018 (ver Anúncio)
Despacho de abertura de 5-03-2018 da diretora-geral da DGPC
Proposta de 12-02-2018 da DRC do Norte para a abertura de procedimento de classificação de âmbito nacional
Requerimento de classificação de 4-12-2017 da CM do Porto

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O Teatro Sá da Bandeira localiza-se na rua com o mesmo nome, no centro histórico do Porto. O imóvel desenvolve-se numa planta irregular, composta por quatro corpos edificados, que correspondem à sala de espectáculos principal, com lotação de 786 lugares, ao átrio e escadaria, e aos espaços de camarins.
Este espaço recreativo, originalmente erigido no terceiro quartel do século XIX, foi projectado seguindo os modelos dos teatros, e salas de ópera, oitocentista, embora apresente um desenho mais modesto. A fachada principal harmoniza-se com as casas de habitação que o rodeiam, num gosto neoclássico almadino. Este frontispício divide-se em dois registos: o piso inferior é rasgado por cinco aberturas, duas portas de entrada nos extremos laterais, e três montras entre ambas; o piso superior apresenta um conjunto de nove janelas com guarda de ferro, de peito e de sacada, com a do centro antecedida por balcão de pedra. O átrio da entrada principal e a escadria principal são resultado de uma obra de meados do século XX.
A sala de espetáculos, disposta lateralmente em relação à entrada, apresenta planta circular com cobertura poligonal em ferro, dividindo-se em quatro níveis, a plateia, a tribuna e dois andares de balcões com camarotes, estes numa estrutura de madeira branca com motivos ornamentais em talha dourada e estuque. O tecto é pintado com motivos florais estilizados, e as paredes são cobertas por papel a imitar brocado.
O elemento de maior destaque é a teia, inteiramente feita em madeira, composta por um sistema de escadas, passadiços e estrados interpostos por um sistema de cordas e roldanas acionadas manualmente para a subida e descida de cenários, também estes dispostos em molduras de madeira.
História
O Teatro Sá da Bandeira, fundado como Teatro-Circo Príncipe Real, foi inaugurado em março de 1874.
Quando foi alargado o troço norte da Rua Sá da Bandeira, na década de 70 do século XIX, existia neste local o antigo Teatro Circo, um "barracão de madeira para artes circenses" erigido em 1846 por José Ferrer Catalon, que seria depois substituído por um edifício em pedra em 1858. O Príncipe Real, com lotação de mil e setecentos lugares, seria erigido para substituir este último. Seis anos depois, seria licenciada a fachada. Com a implantação da República, em 1910, o teatro passava a designar-se oficialmente Teatro Sá da Bandeira.
No século XX o teatro era alvo de várias obras de ampliação de pequena dimensão: em 1909 realizavam-se obras nos camarotes; em 1916 ampliava-se o átrio; em 1927 abria-se a primeira montra na fachada principal, que foi depois alterada em 1951; no ano de 1953 construía-se uma galeria de betão numa das lojas do piso térreo; e em 1956 fazia-se uma obra no espaço interior, com provável reconstrução dos átrios, escadas e corredores, segundo projecto de Rocha Brito.
O Teatro Sá da Bandeira é o edifício de espetáculos mais antigo do Porto, com actividade praticamente ininterrupta desde a sua fundação, representando um dos mais importantes marcos do património cultural da cidade.
Catarina Oliveira
DGPC, 2019

Imagens

Bibliografia

Título

A memória de Sá da Bandeira no espaço lusófono. Marquês de Sá da Bandeira e o seu tempo

Local

Lisboa

Data

2013

Autor(es)

FONSECA, Jorge