Saltar para o conteúdo principal da página

Moradia sita no Largo de D. Luís Maldonado Vivião Passanha - detalhe

Designação

Designação

Moradia sita no Largo de D. Luís Maldonado Vivião Passanha

Outras Designações / Pesquisas

Casa no antigo Largo do Ferro de Engomar / Casa no Largo de D. Luís Maldonado Vivião Passanha / Casa do Infante (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Ferreira do Alentejo / Ferreira do Alentejo e Canhestros

Endereço / Local

Largo D. Luís Maldonado Vivião Passanha
Ferreira do Alentejo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Aviso n.º 7515/2003, Apêndice n.º 147, 2.ª série, n.º 225, de 29-09-2003 (ver Aviso)
Deliberaçãode 11-06-2003 da CM de Ferreira do Alenetjo a aprovar a classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizado fora do centro antigo de Ferreira do Alentejo, numa zona de crescimento urbano do século XIX-XX, o edifício do Largo de D. Luís Maldonado Vivião Passanha, antigo Largo do Ferro de Engomar, é um projeto do arquiteto Vasco Regaleira, um dos "arquitectos oficiais" do Estado Novo. O imóvel neomanuelino em causa revela, ainda, marcas da influência da teoria da "casa portuguesa" preconizada por Raul Lino. O programa delineado para este edifício, de planta quadrangular, incluiu uma escadaria com alpendre na fachada principal que dá para o largo, destacando-se, ainda, uma torre lateral de inspiração medieval.
No interior do imóvel são utilizados diversos elementos dos quais, os mais relevantes, são os silhares de azulejos de fabricação tardo-maneirista, provavelmente produzidos na Real Fábrica do Rato (ESPANCA, Túlio, 1992) e que, pelo que se conhece, terão vindo de um palacete da antiga Rua de Alconchel (actual Rua de Serpa Pinto) em Évora, moradia dos Infantes de Lacerda Reboredo ou Condes da Costa, cujos últimos titulares eram Francisco Guedes de Carvalho e Meneses da Costa, também Visconde de Guedes, e D. Maria Luísa Infanta Passanha, morgada de São Vicente de Ferreira do Alentejo (ESPANCA, Túlio, 1975), parente de D. Diogo, responsável direto pela construção do presente imóvel. Aplicados em duas salas do andar principal, os diferentes painéis surgem legendados em latim, envolvidos por "delicadas grinaldas de flores, albarradas e cariátides, segundo desenho pouco corrente na época de D. Maria I (c.ª de 1800)" (ESPANCA, Túlio, 1992).


História
A maior parte dos edifícios nobres da vila de Ferreira do Alentejo que conheceu, sobretudo durante o século XIX, uma época de grande desenvolvimento económico baseado, sobretudo, na indústria vinícola, foram erguidos por duas importantes famílias locais, os Passanhas e os Vilhenas. Assim acontece com o presente imóvel erguido na década de 1930, segundo projecto do Arquitecto Vasco Regaleira (ESPANCA, Túlio, 1992) e que, de facto, pertenceu a D. Diogo de Vilhena Maldonado Pessanha. Vasco Regaleira nasce em Lisboa, a 21 de setembro de 1897 onde vem a falecer a 21 de maio de 1968. Formado na "Society of Architects de Londres", em 1926, Vasco Regaleira ficará conhecido pela conceção de vários edifícios de grande dimensão, sobretudo igrejas e sanatórios, sendo a sua linguagem eclética pautada por referências regionalistas, algo que se tornará muito comum durante o período do Estado Novo. Destacou-se, ainda, pela obra realizada em território africano, nomeadamente em Angola.

Sílvia Leite/IPPAR/2006, atualizado por Maria Ramalho/DGPC/2016.

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Beja, Vol. XII

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

ESPANCA, Túlio