Saltar para o conteúdo principal da página

Anta do Estanque - detalhe

Designação

Designação

Anta do Estanque

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Montemor-o-Novo / Nossa Senhora da Vila, Nossa Senhora do Bispo e Silveiras

Endereço / Local

Rua Esquerda
São Geraldo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 507/2014, DR, 2.ª série, n.º 123, de 30-06-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Procedimento (indevidamente) prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de homologação de 23-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 20-03-2003 da DR de Évora para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 24-11-1999 do vice-presidente do IPPAR
Parecer de 29-06-1999 do IPA a propor a classificação como IIP
Informação favorável de 21-01-1999 da DR de Évora
Proposta de classificação de 27-03-1998 da CM de Montemor-o-Novo

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Construído entre meados do IV e do III milénio a.C., este monumento megalítico enquadra-se cronologicamente no entendimento generalizado de "Megalitismo eborense", cujo exemplar mais notável é geralmente atribuído à "Anta Grande da Comenda da Igreja", situada em Montemor-o-Novo.
Localizada no centro da aldeia de S. Geraldo, adossada a uma das suas habitações (na qual foram embebidos dois esteios), a "Anta do Estanque" é constituída por câmara sepulcral, de cuja estrutura original ainda são visíveis, in situ sete esteios. Do primitivo corredor remanesce ainda um esteio do lado direito, sobre o qual se eleva um muro, não evidenciando quaisquer vestígios da mamoa - tumulus - primordial.
Adaptado durante algum tempo às necessidades económicas da população local, esta estrutura megalítica foi relocalizada em 2002, no âmbito do "Estudo do Megalitismo Funerário no Alentejo Central", que visava identificar os monumentos investigados no século passado pelo Prof. Manuel Heleno (1894-1970).
[ACNM]

Imagens