Saltar para o conteúdo principal da página

Casa e Quinta de Santana - detalhe

Designação

Designação

Casa e Quinta de Santana

Outras Designações / Pesquisas

Casa e Quinta de SantAna / Casa de SantAna / Solar de SantAna(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Mesão Frio / Oliveira

Endereço / Local

- -
-

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30 de Dezembro (ver Despacho)
Despacho de abertura de 23-07-2004 do presidente do IPPAR

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa de Sant'Ana, implantada na Quinta com o mesmo nome, foi edificada, ao que tudo indica, em 1724, data que se encontra inscrita na cartela que coroa o portal de acesso ao pátio interno. É possível que tenha sido posteriormente ampliada com um novo corpo perpendicular ao primeiro, formando assim a planta em L que hoje se conhece. Uma lápide no muro que se encontra junto ao volume mais recente, com o ano de 1774, poderá ajudar a balizar o crescimento do imóvel.
A fachada mais longa, que se abre para o Douro, desenvolve-se em dois pisos separados por friso, sendo que, no andar térreo, são visíveis vãos de dimensões reduzidas e, no piso nobre, sete janelas de sacada, coroadas por frontões triangulares. O corpo recente é marcado por janelas de guilhotina e óculos, no seu alinhamento.
Na continuação da fachada do corpo mais recuado, o alçado a Oriente prolonga o friso de separação dos pisos, sendo que no inferior se rasgam frestas e uma porta de verga recta e, no superior, janelas de sacada com frontão triangular. Nos cunhais, as pilastras suportam o entablamento que precede a cornija. No alinhamento deste alçado, o portão flanqueado por pilastras, encimadas por longos pináculos, é rematado por uma pedra de armas envolta por uma imponente e movimentada composição decorativa.
O conjunto é, desde 1992, uma unidade de Turismo Rural, tendo sido objecto de algumas intervenções com o objectivo de adaptar o imóvel às suas novas funções.
(RC)