Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Fandinhães - detalhe

Designação

Designação

Capela de Fandinhães

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Fandinhães / Igreja de Nossa Senhora da Livração / Capela de Fandinhães(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Marco de Canaveses / Penha Longa e Paços de Gaiolo

Endereço / Local

- -
Fandinhães

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 660/2012, DR, 2.ª série, n.º 215, de 7-11-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 6651/2012, DR, 2.ª série, n.º 63, de 28-03-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 5-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Nova proposta de 19-04-2011 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Nova proposta de 29-12-2009 da DR do Porto para a classificação como IIP
Proposta de 16-09-2005 da DR do Porto para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 23-07-2004 do presidente do IPPAR
Proposta de 5-09-2003 da DR do Porto
Proposta de classificação de 6-06-1988 da CM de Marco de Canaveses

ZEP

Portaria n.º 660/2012, DR, 2.ª série, n.º 215, de 7-11-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 6651/2012, DR, 2.ª série, n.º 63, de 28-03-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 5-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Confirmação da proposta anterior da DRC do Norte em 19-04-2011
Devolvido à DRC do Norte por despacho de 11-02-2010 do director do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 29-12-2009 da DR do Porto

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizada no extremo norte da povoação de Fandinhães, em Paços de Gaiolo, a Capela de Fandinhães, dedicada a Nossa Senhora da Livração, é um templo de fundação medieval, estando já erigida em 1258. Do edifício original, de linhas românicas, subsiste a capela-mor, de planta retangular, com o arco triunfal e a parede que se localizava primitivamente no topo da nave a substituírem, respetivamente, o portal principal e a fachada. O arco, de duas arquivoltas apontadas, assenta sobre colunas adossadas com capitéis decorados, o da esquerda com serpentes, o da direita com duas figuras atlantes apoiadas em folhagens. Nas paredes laterais da capela foram rasgadas duas frestas de arco apontado com capitéis ornamentados por figuras humanas e vegetalistas. O remate do aparelho murário é decorado com cachorros, alguns decorados com motivos antropomórficos, outros com fórmulas geométricas.
O espaço interior possui ao centro altar com painel de azulejos hispano-árabes. Na parede fundeira foi colocado o retábulo de talha dourada e branca dividido em três painéis, o do centro albergando uma imagem de Nossa Senhora da Livração, os laterais com as imagens de São Brás e de São Martinho. Nas paredes laterais, no local correspondente às frestas exteriores, rasga-se um pequeno arco com capitéis decorados com motivos zoomórficos e vegetalistas.
História
Edificada no século XIII, muito possivelmente nos anos próximos aos meados da centúria, a Capela de Fandinhães pertencia, então, aos descendentes de um arquidiácono da Sé de Viseu, sendo originalmente consagrada a São Martinho. Em 1302, o direito de padroado da capela foi doado a D. Geraldo Domingues, bispo do Porto.
Da edificação original resta apenas a capela-mor, cujos motivos decorativos indiciam a influência do românico portuense, nomeadamente das igrejas de Cabeça Santa, Águas Santas e Cedofeita. Carlos Alberto Ferreira de Almeida afirma que o projeto primitivo "sempre foi obra inconclusa" (Almeida: 1986, p. 14); no entanto, a verdade é que, uma vez que na segunda metade do século XIX o templo apresentava avançado estado de ruína, grande parte da estrutura então existente foi desmantelada, pelo que, sem a realização de sondagens arqueológicas, não se pode apurar se a igreja românica chegou, efetivamente, a ser concluída (Botelho, Resende: 2014, p. 383).
Ainda assim, o edifício subsistente deixa antever que a capela original, no seu programa completo, seria um interessante modelo da arquitetura românica portuguesa. Por seu turno, o painel de azulejos mudéjares colocado no altar indicia a existência de uma campanha de obras no início do século XVI.
Como se referiu, na segunda metade de Oitocentos a pequena capela encontrava-se em ruínas, pelo que o edifício foi parcialmente desmantelado a partir de 1864. A pedra remanescente da nave foi empregue na ampliação da igreja paroquial de São Clemente, de Paços de Gaiolo.
Em 2010 a Capela de Fandinhães foi integrada na Rota do Românico, e no ano de 2012, era classificada como Monumento de Interesse Público.
Catarina Oliveira
DGPC, 2016

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal, vol. 3 (o Românico)

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de

Título

Capela da Senhora da Livração de Fandinhães: Marco de Canaveses, Rota do Românico, volume 1, pp. 377-394

Local

Lousada

Data

2014

Autor(es)

BOTELHO, Maria Leonor, RESENDE, Nuno

Título

A historiografia da arquitectura românica em Portugal. Tese de doutoramento

Local

Porto

Data

2010

Autor(es)

BOTELHO, Maria Leonor

Título

Território, senhores e património na Idade Média. Marco de Canaveses: perspectivas. Volume 1, pp. 81-116

Local

Marco de Canaveses

Data

2009

Autor(es)

ROSAS, Lúcia Maria Cardoso, SOTTOMAYOR-PIZARRO, J. A. de