Saltar para o conteúdo principal da página

Passeio marítimo e Avenida Montevideu - detalhe

Designação

Designação

Passeio marítimo e Avenida Montevideu

Outras Designações / Pesquisas

Passeio Marítimo e Avenida de Montevideu(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto Urbano

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde

Endereço / Local

- -
Porto

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como CIP - Conjunto de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 574/2011, DR, 2.ª série, n.º 109, de 6-06-2011 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 10-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 7-01-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 24-09-2008 da DRC do Norte para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 11-10-2004 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 9-07-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de classificação de 7-01-2003 da CM do Porto, na sequência de deliberação por unanimidade da AMP em 17-12-2002

ZEP

Declaração de retificação n.º 442/2013, DR, 2.ª série, n.º 69, de 9-04-2013 (retifica de "ZEP coincidente com a do Castelo do Queijo" para "ZEP conjunta com a do Castelo do Queijo") (ver Declaração)
Portaria n.º 574/2011, DR, 2.ª série, n.º 109, de 6-06-2011 (com ZNA) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 10-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 7-01-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 24-09-2008 da DRC do Norte para uma ZEP deste conjunto e do Castelo do Queijo

Zona "non aedificandi"

Declaração de retificação n.º 442/2013, DR, 2.ª série, n.º 69, de 9-04-2013
Portaria n.º 574/2011, DR, 2.ª Série, n.º 109, de 6-06-2011

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Do Parecer do CC*:
"1. A Avenida Montevideu é um elo de ligação entre dois sistemas defensivos avançados, na orla marítima da cidade do Porto, o Forte de São João Baptista na Foz do Douro (...) e o Castelo do Queijo, junto a Matosinhos (...). Como bem refere o ponto 2 da Informação nº 211 (...) quando a relaciona com outros conjuntos já classificados naquela cidade, a saber a Zona Histórica do Porto e o Conjunto «Foz Velha», estes de manifesto interesse público; 2. A área proposta agora para classificação corresponde a um momento específico do desenvolvimento urbano, no período dos anos 30-40 do século XX, entre as duas grandes guerras, que do ponto de vista conceptual e formal ultrapassa o significado meramente municipal. Como termo de comparação é de referir que, idêntico processo de expansão urbanística, com a construção de moradias unifamiliares de qualidade, assistiu-se na periferia de Lisboa, junto da marginal entre Estoril e Cascais (...). 3. Quanto à tipologia das habitações, apesar da introdução de alguns elementos mais modernos, é uma zona que apresenta uma grande coerência urbanística, assente em três elementos essenciais: 3.1. A frente urbana marítima; 3.2. O jardim 3.3. As esplanadas. O primeiro constitui a zona habitacional e os dois últimos conjugam-se formando a zona de passeio público. 4. 4.1. A zona habitacional: (...) é de referir que o conjunto urbano reflecte a calma e a ambiência cultural da época. Apesar da variedade da área na composição das fachadas, existe uma unidade e harmonia de grande qualidade estética. (...) 4.2. A Zona de Esplanadas: é um conjunto de grande qualidade estética e típico dos alvores dos anos 30, sobressaindo a pérgula e as áreas de bar e/ou de restauração junto à praia e que conservam características muito próximas da tipologia inicial; 4.3. A Área de Jardins: trata-se de um exemplo de jardim público de influência francesa, extremamente raro entre nós, que na cidade do Porto tem paralelo no notável ajardinamento da quinta particular de Serralves, hoje Fundação de Serralves. (...) 5. Como um valor acrescentado, é de referir ainda que esta zona, nas rochas que afloram na praia (o complexo metamórfico da Foz do Douro), foram objecto de uma classificação como património natural, pelo seu valor científico e variedade, sendo referência para visitas de estudo de professores, alunos e público interessado em Geologia e Ciências Ambientais, no domínio do estudo das rochas metamórficas.
* Conselho Consultivo do IPPAR

Imagens