Saltar para o conteúdo principal da página

Quartel dos Dragões - detalhe

Designação

Designação

Quartel dos Dragões

Outras Designações / Pesquisas

Quartel dos Castelos / Castelo Manuelino / Actual Quartel General da Região Militar do Sul / Castelo Novo / Quartel dos Dragões / Quartel dos Castelos / Quartel General da Região Militar do Sul(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Quartel

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Évora / Évora (São Mamede, Sé, São Pedro e Santo Antão)

Endereço / Local

- -
Évora

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Procedimento encerrado / arquivado (processo individual). Abrangido em...

Cronologia

Despacho de arquivamento de 23-05-2011 do director do IGESPAR, I.P., por superveniência da classificação como MN do Centro Histórico de Évora (por força da inscrição na Lista do Património Mundial da UNESCO), que abrange o imóvel
Procedimento prorrogado até 31-12-2011 pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Parecer favorável de 23-03-2010 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de de 9-09-2008 da DRC do Alentejo para a classificação como MN
Parecer de 12-12-2007 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor que se estude a eventual classificação autónoma como MN
Proposta de 20-12-2004 da DR de Évora para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 25-10-2002 do vice presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 23-10-2002 da DR de Évora
Proposta de classificação de 7-08-2002 do QG da Região Militar Sul

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido por conjunto inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, que, ao abrigo do n.º 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, se encontra classificado como MN

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundado no ano de 1518 pelo rei D. Manuel, teve como arquitecto o mestre-de-obras do Alentejo, Diogo de Arruda. No reinado de D. Sebastião, o edifício passou a depósito do novo Celeiro Comum, pelo que sofreu beneficiações importantes. Em 1736, o rei D. João V instituiu em Évora o Regimento de Dragões, unidade militar que vem a ocupar o Castelo Novo, novamente sujeito a obras de adaptação só terminadas no reinado de D. José I e que contemplaram o aproveitamento da fortaleza manuelina. Seguiram-se obras em 1759 e em 1808 o quartel foi ocupado por uma unidade francesa do exército de Junot. O edifício é de planta quadrada rematado por quatro imponentes torres de alvenaria revestidas de pilastras de grandes lajes almofadadas de granito. No seu conjunto mantém o plano directriz do renascimento, modelado no sistema regular da fortaleza. A frontaria voltada para o largo dos castelos, com corpo central recuado assenta em oito arcadas falsas de vãos redondos e janelas semicirculares. A entrada principal do edifício faz-se através de grandioso pórtico com pilastras de cantaria trabalhada,encimado por frontão circular com as armas reais de Portugal em mármore de Estremoz. Os corpos baixos dos dois torreões, também quadrados, do lado sul,de aparelho quinhentista, assentam numa sapata de plano inclinado ornamentada pelo cordão da época Manuelina. A parada de planta quadrada, típica construção da segunda metade do século XVIII, tem as quatro fachadas assentes em arcada falsa de sete vãos de volta redonda. O eixo do segundo piso é composto por vasta sala quadrangular e cobertura em cúpula, com lanternim central. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio