Saltar para o conteúdo principal da página

Cinema Odéon - detalhe

Designação

Designação

Cinema Odéon

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Cinema

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santo António

Endereço / Local

Pátio do Tronco
Lisboa

Número de Polícia: 1-1 A

Rua das Portas de Santo Antão
Lisboa

Número de Polícia: 129-133

Rua dos Condes
Lisboa

Número de Polícia: 2-20

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Procedimento encerrado / arquivado (processo individual). Abrangido em...

Cronologia

Em 20-03-2014 foi dado conhecimento do despacho ao requerente e à CM de Lisboa, enviando a esta última cópia do processo, a fim de ponderar uma classificação como de IM
Despacho de 20-03-2014 do diretor-geral da DGPC a determinar o arquivamento do pedido de abertura de novo procedimento de classificação
Proposta de arquivamento de 20-03-2014 da DGPC, por já estar incluído na classificação da Avenida da Liberdade e por estar em muito mau estado de conservação
Requerimento de 29-01-2014 de particular a propor a abertura de novo procedimento de classificação
Despacho de 30-10-2009 do director do IGESPAR, I.P. a revogar o despacho de abertura de 12-010-2004
Parecer de 28-10-2009 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a não classificação, por não reunir nenhum dos critérios genéricos previstos na legislação em vigor
Despacho de 23-10-2009 do director do IGESPAR, I.P. a suscitar a questão do prosseguimento ou não do procedimento, atendendo ao estado de degradação do imóvel
Proposta de 21-02-2005 da DR de Lisboa para que fosse ouvido o órgão consultivo sobre a eventual classificação do imóvel
Despacho de abertura de 12-10-2004 da vice-presidente do IPPAR
Proposta de 13-08-2003 da DR de Lisboa para a abertura de procedimento de classificação de âmbito nacional
Processo iniciado em Maio de 2002 na DR de Lisboa

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Desde os seus primórdios que os cinemas de Lisboa se foram instalando entre o Chiado e a Baixa, como situação experimental e provisória, para um público de elites. À medida que se tornaram populares, as novas salas procuraram preferencialmente as áreas das tradicionais portas da cidade, visto que se tornaram os sucessores das feiras, circos e teatros.
Nesta sequência, e pelas sucessivas inaugurações, podem identificar-se claramente dois eixos principais: o do Rossio - Rua dos Condes/Restauradores - Parque Mayer - Avenida, eixo elegante e requintado, que corresponde aos sectores residenciais e funcionais mais ricos da cidade, que partiu das velhas Portas de Santo Antão; e o eixo Martim Moniz - Rua da Palma - Avenida Almirante Reis, que, partiu das Portas da Mouraria e se define como uma área pequeno-burguesa e popular de Lisboa (FERNANDES, 1995, p. 8). Numa segunda fase, quase todos os bairros de Lisboa tiveram uma sala de cinema, restando hoje em dia muito poucos.
O cinema, que utilizava de improviso salas de edifícios destinados a outros espectáculos, a pouco e pouco, surge com autonomia construtiva e formal. Com a crescente utilização do betão armado e o aparecimento de uma linguagem modernista na arquitectura, com formas geométricas puras e superfícies lisas, que coincidiu com novas regulamentações de segurança contra incêndios e com o despertar de novas salas, de estética inovadora, o cinema passou a ser então o espectáculo urbano por excelência, que atraía multidões.
O Cinema Odéon que se situa na Rua dos Condes, eixo nobre da cidade, em frente ao lisboeta Olympia, foi fruto de um projecto de 1923, pelo construtor Guilherme A. Soares. Abriu portas a 21 de Setembro de 1927, com A Viúva Alegre, de Stroheim e durante largos anos, estabeleceu laços fortes com a sala do Trianon Palace, sua contemporânea, de 1930, partilhando ambos a mesma cópia de filme.
Em 1931, foi modernizado com as expressivas galerias metálicas, salientes da fachada, muito decorativas, com os seus rendilhados de vidros coloridos, que quase apagam o desenho ao estilo clássico do edifício. Estilo esse que é ainda visível no piso superior e, principalmente, na esquina com a Rua das Portas de Santo Antão. Destaque ainda, para o janelão que ocupa dois andares, sobre balcão semi-circular, assente em métopas que enquadram o nome Odeon.
O interior é notável pela sua grande cobertura em madeira escura, pelo seu palco de frontão Art Deco, pelos sumptuosos e volumosos camarotes e pelo lustre central, irradiando néons.
(Liliana Garcia)

Imagens

Bibliografia

Título

Lisboa Desaparecida, volume 7

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

DIAS, Marina Tavares

Título

Cinemas de Portugal

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel