Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Santa Brígida - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Santa Brígida

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de Santa Brígida, paroquial de Marmelar
Igreja Paroquial de Marmelar / Igreja Paroquial de Marmelar / Igreja de Santa Brígida / Igreja de Santa Maria de Marmelar (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Vidigueira / Pedrógão

Endereço / Local

Rua de Santa Brígida
Marmelar

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 449/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18-09-2012 (ver Diploma)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 25-07-2012 do diretor-geral da DGPC
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Anúncio n.º 14161/2011, DR, 2.ª série, n.º 192, de 6-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 30-03-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 30-03-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Nova proposta de 1-09-2009 da DRC do Alentejo
Devolvido em 10-03-2006 à DR de Évora para juntar proposta de ZEP
Proposta de 14-11-2003 da DR de Évora para a classificação como IIP
Edital de 24-03-2003 da CM de Vidigueira
Despacho de abertura de 17-01-2003 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de classificação de 13-01-2003 da DR de Évora

ZEP

Portaria n.º 449/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18-09-2012 (sem restrições) (ver Diploma)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 25-07-2012 do diretor-geral da DGPC
Anúncio n.º 14161/2011, DR, 2.ª série, n.º 192, de 6-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 30-03-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 30-03-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 1-09-2009 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A igrejinha de Santa Brígida, padroeira do antigo concelho de Marmelar, foi seguramente erguida na primeira metade de Quinhentos, conservando ainda a estrutura original, do reinado de D. Manuel. A sua feição representa um exemplo claro do estilo manuelino-mudéjar que então constituía o modelo corrente na região, patente nos volumes escalonados rematados por merlões chanfrados e nos robustos contrafortes cilíndricos coroados por coruchéus cónicos, conferindo aos edifícios o carácter de templo fortificado.
A fachada, antigamente antecedida por um alpendre ou galilé, vazada por três arcadas redondas, já destruída, é aberta por um singelo portal de verga recta. A empena, muito rebaixada, remata com uma sineira à direita, e possui um segundo sino exactamente a meio, cujo eixo é fixado numa das ombreiras da sineira e num pilar erguido mais à esquerda. Os elementos mais marcantes desta fachada são os dois contrafortes cilíndricos envolvendo os cunhais, que se repetem a meio das fachadas laterais e nos ângulos da capela-mor, encimados por pináculos cónicos, e ligados por fiadas de merlões. O conjunto é inteiramente caiado, à excepção das ombreiras do portal, facto que contribui para dar um tom mais rústico ao edifício.
A planta da igreja é constituída pelo corpo rectangular da nave, ao qual se adossa a capela-mor quadrada, e ainda os volumes diferenciados das dependências auxiliares. O interior, de nave única, é coberto por abóbada de aresta assente sobre mísulas e com fechos decorados. A capela-mor é antecedida por arco de volta perfeita e um pequeno degrau, e coberta por abóbada gótica de nervuras, assente em mísulas. No altar-mor está uma imagem de Santa Brígida, e em dois altares laterais conservam-se as imagens de Nossa Senhora do Rosário e de Nossa Senhora das Neves. Na decoração das chaves ou fechos do templo incluem-se figurações da Cruz da Ordem de Cristo, ornatos naturalistas, bolas e torcidos característicos do repertório manuelino. A pia baptismal, datada de meados do século XVI, é uma bacia octogonal sobre colunelo tosco e anelado, com base quadrada revestida de palmetas.
Os alçados merecem particular atenção neste templo. Integralmente cobertos por pintura mural com figuração sacra e naturalista, estiveram caiados a partir de meados do século XX, até se ter efectuado o recente restauro (2003) que restituiu às pinturas a vitalidade possível. O restauro foi levado a cabo com o apoio da Fundação Carmona e Costa, estando a igreja incluída na Rota do Fresco, percurso que visa divulgar exemplos da pintura mural dos concelhos de Alvito, Cuba, Portel, Vidigueira e Viana do Alentejo. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

As pinturas murais de Marmelar: vestígios de um passado

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

SOUSA, Catarina Vilaça de