Saltar para o conteúdo principal da página

Portal da Capela de Nossa Senhora dos Remédios - detalhe

Designação

Designação

Portal da Capela de Nossa Senhora dos Remédios

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Nossa Senhora dos Remédios / Igreja de Nossa Senhora dos Remédios (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Portal

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Rua dos Remédios
Lisboa

Número de Polícia: 15

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)
Nota: a Capela de Nossa Senhora dos Remédios, a Casa do Despacho e demais dependências da antiga confraria estão classificadas como imóvel de interesse público (IIP) pelo Decreto n.º 27 347, DR, I Série, n.º 296, de 18-12-1936

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Dedicada ao Espírito Santo, a Capela de Nossa Senhora dos Remédios foi edificada cerca de 1517, como capela da Irmandade de São Pedro Telmo, cujos membros eram pescadores e mareantes. A devoção à Senhora dos Remédios está ligada a uma lenda antiga, segundo a qual um pescador morador em Alfama teria encontrado uma imagem de Nossa Senhora num poço, que foi posteriormente levada para a ermida dos pescadores. Para além da ermida, a irmandade mandou construir um hospital, dedicado à assistência a mulheres pobres, denominado no Compromisso de 1551 como "sprital de Esprito Sancto", e que mais tarde teria um importante papel na assistência a crianças abandonadas. Em 1606 foram acrescentados ao edifícios do templo e hospital a sacristia, a Casa do Despacho e casas para utilização da confraria. No ano de 1694 a igreja e as casas da irmandade foram remodeladas. Depois do terramoto de 1755, o conjunto da capela, casas e hospital ficaria muito danificado, e por isso, a irmandade ordenou a sua reconstrução, apesar de o hospital nunca ter sido reedificado.
A Ermida de Nossa Senhora dos Remédios possui planta rectangular, com nave única e capela-mor. Na fachada principal, o portal é constituído por arco polilobado decorado com cogulhos e encimado por uma cruz. O intradorso do arco é preenchido por decoração vegetalista, ostentando ao centro um escudo com uma representação da pomba do Espírito Santo. A fachada lateral possuí um portal de frontão triangular, despojado de decoração. O segundo registo do templo é preenchido por diversas janelas de peito. Para separar o registo superior do restante edifício foi colocada uma cornija, que seria a base da primitiva cobertura.
O interior da ermida é de nave única, com dois altares laterais, coro alto e um arco triunfal que efectua a passagem para a capela-mor. A nave é coberta por painéis de azulejos setecentistas, e a sacristia possuí ainda o revestimento azulejar original do século XVI. Junto ao portal principal fica localizado o poço onde teria sido encontrada a imagem de Nossa Senhora dos Remédios. No andar superior da ermida fica situada a casa de despacho da confraria, que possuí um friso de azulejos com motivos zoomórficos e caricaturais.
Catarina Oliveira

Imagens

Bibliografia

Título

Espírito Santo (Ermida do), Dicionário da História de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

SANTOS, Manuel Farinha dos

Título

Lisboa: freguesia de Santo Estevão (Alfama)

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

FERREIRA, Vitor Matias, CALADO, Maria