Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício dos Paços do Concelho - detalhe

Designação

Designação

Edifício dos Paços do Concelho

Outras Designações / Pesquisas

Câmara Municipal da Figueira da Foz (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Paço

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Figueira da Foz / São Julião da Figueira da Foz

Endereço / Local

Avenida Saraiva de Carvalho
Figueira da Foz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital n.º 135/05 de 7-03-2005 da CM da Figueira da Foz, publicado em 31-03-2005

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Situado na Avenida Saraiva de Carvalho, frente à foz do Rio Mondego, o Edifício dos Paços do Concelho da Figueira da Foz é um imóvel de planta retangular que mantém, grosso modo, o traçado de gosto eclético original.
A fachada principal é formada por cinco corpos, de dois andares cada um, à exceção dos das extremidades, com um piso mais. Estes e o corpo central encontram-se avançados em relação aos intermédios, destacando-se os cunhais em aparelho rusticado. Os onze vãos de cada um dos pisos são retangulares, excetuando os do corpo central, de volta perfeita.
A entrada, revestida no primeiro registo por cantaria rusticada, é marcada pela abertura de três portas, a que correspondem outras tantas no piso seguinte, com a do meio a abrir para uma varanda com balaustres. Este corpo é coroado por corpo uma platibanda cega, interrompida por um corpo retangular, rematado por frontão triangular, onde se exibem as armas da cidade.
A frontaria posterior é rasgada por onze vãos em cada um dos pisos, com arco central. A fachada lateral esquerda encontra-se seccionada por pilastras que definem três corpos abertos por vãos retos nas extremidades e um de volta perfeita ao centro, sendo rematada por frontão triangular, exibindo um relógio no tímpano.
No interior, destaca-se o Salão Nobre, coberto por tetos ornamentados com estuque, e vários frisos e sobreportas também em estuque, com simbologia relacionada com o município. O mobiliário para as sessões foi concebido em conjunto com o edifício.
O espaço exibe, ainda, uma série de peças de outras proveniências, que foram ali colocadas com o intuito de enobrecer a sala, como uma tela de Pedro Alexandrino representando a Aparição da Virgem do Carmelo a Simão Stock, o retrato de Manuel Fernandes Tomás, executado por Gilberto Renda, e o retrato do arqueólogo Dr. Santos Rocha.
História
No último quartel do século XIX, a maioria dos serviços camarários da Figueira da Foz estavam distribuídos por diversos imóveis, espalhados pela cidade, denotando-se então a necessidade de construir um edifício que albergasse todas as funcionalidades necessárias.
Assim, em Julho de 1893 a Câmara abriu concurso para os novos Paços do Concelho, tendo recebido sete propostas. Uma delas foi imediatamente afastada, não chegando sequer a concurso, quatro foram excluídas, e das restantes três, uma das quais da autoria de Ventura Terra, foi selecionado o projeto da dupla de arquitetos italianos Cesare Ianz e F. Giuseppe Fiorentini. Coube a Ianz, autor da fachada do Coliseu de Lisboa ou da reconstrução do Forte da Cruz no Estoril, entre outros, a direção da obra.
O projeto foi entregue na sua forma final apenas em 1894 apresentando muitas alterações relativamente à primeira versão, entre as quais se destaca o revestimento a cantaria das fachadas, apenas cumprido na principal (Cândido: 2001).
O programa do novo edifício previa a instalação das diferentes repartições da câmara e do Museu municipal, ficando no piso térreo o Tribunal e o Cartório, no primeiro andar o Salão Nobre e as salas para o Presidente e Vereadores, bem como o Museu, a Biblioteca ou o Arquivo, e no segundo andar a Escola Industrial, e outros serviços municipais.
Em Maio desse ano iniciaram-se oficialmente as obras de construção, concluídas no final de 1897. O programa decorativo interior é da autoria de Ernesto Korrodi, iniciando-se em 1909.
O edifício foi classificado como de interesse municipal em 2005.
Catarina Oliveira
DGPC, 2018

Imagens

Bibliografia

Título

Figueira da Foz

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

BORGES, José Pedro de Aboim

Título

Paços do Concelho da Figueira da Foz: história de um edíficio

Local

Figueira da Foz

Data

2001

Autor(es)

CÂNDIDO, Guida da Silva