Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício da Assembleia Figueirense - detalhe

Designação

Designação

Edifício da Assembleia Figueirense

Outras Designações / Pesquisas

Teatro Lucília Simões / Assembleia Figueirense (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Figueira da Foz / São Julião da Figueira da Foz

Endereço / Local

Avenida Saraiva de Carvalho
Figueira da Foz

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital n.º 231 de 8-10-2003 da CM da Figueira da Foz

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizado no número 140 da Avenida Saraiva de Carvalho, frente ao cais comercial da Figueira da Foz, o Edifício da Assembleia Figueirense foi construído no último quartel do século XIX, integrando o espaço do Bairro Novo.
O imóvel de planta retangular apresenta uma fachada seccionada verticalmente, com corpo central aberto por três vãos em cada piso. No andar térreo, a porta central é ladeada por duas janelas e, no piso nobre, rasgam-se três janelas de sacada única, com a central mais elevada e de cornija curva. O alçado é rematado por uma platibanda cega.
No interior destaca-se a ampla escadaria de acesso ao segundo piso, e o salão nobre, cujo lustre foi adquirido em Paris em 1865, tendo transitado da Casa do Paço para este espaço.
História
A associação cultural Assembleia Figueirense foi fundada a 15 de Dezembro de 1839 por catorze pessoas naturais da Figueira da Foz.
Até 1857, a sede foi itinerante, estabelecendo-se naquele ano na Casa do Paço. Todavia, a necessidade de abandonar este espaço conduziu à construção de uma sede própria, cerca de duas décadas depois.
O local escolhido para a nova casa da Assembleia foi o Bairro Novo de Santa Catarina, localizado frente à linha da costa, que estava então a ser urbanizado. De malha "malha reticulada e regular", contrastante com a "distribuição não programada" do núcleo mais antigo da Figueira, o Bairro Novo tornou-se o local dos "veraneantes e do lazer" da cidade (Borges: 1991, p. 78), pelo que entre os finais da década de 60 de Oitocentos e os primeiros anos do século XX, esta urbanização recebeu um conjunto de equipamentos como casinos, cafés ou teatros, tornando-se o centro lúdico da cidade.
Nada mais natural, pois, que a Assembleia Figueirense quisesse ocupar o seu lugar nesta nova zona urbana, modernizada, culta e dinâmica. Assim, entre 1877 e 1880 a Assembleia procedeu à construção da nova sede, cujo projeto esteve a cargo do arquiteto Francisco Ferreira Loureiro, tendo presidido à comissão de obras o também construtor do Bairro Novo, Bernardo Augusto Lopes.
Uma vez que a Assembleia teve de deixar a Casa do Paço, o edifício foi inaugurado no dia 1 de Janeiro de 1880, mesmo sem as obras estarem concluídas. Depois dessa data, foi construída a sala do teatro, em 1901.
O Edifício da Assembleia Figueirense, que prossegue a sua atividade de âmbito cultural e social, mantém-se como um marco da história recente da cidade da Figueira da Foz. Foi classificado como de interesse municipal em 2003.
Catarina Oliveira
DGPC, 2018

Imagens