Saltar para o conteúdo principal da página

Casa, quinta e mata de Pindela - detalhe

Designação

Designação

Casa, quinta e mata de Pindela

Outras Designações / Pesquisas

Casa, Quinta e Mata da Pindela (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Vila Nova de Famalicão / Cruz

Endereço / Local

-- -
Pindela

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-DG/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13464/2012, DR, 2.ª série, n.º 186, de 25-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 9-05-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 30-03-2012 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Devolvido em 1-06-2006 à DR do Porto para juntar proposta de ZEP
Proposta de 13-07-2004 da DR do Porto para a classificação como MIP
Despacho de abertura de 15-04-1993 da vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 2-04-1993 da DR do Porto
Proposta de classificação de 14-09-1972

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa, Quinta e Mata de Pindela localizada na freguesia de São Tiago da Cruz, Concelho de Famalicão, e está integrada num ambiente rural, onde é ladeada por terrenos de cultivo. O Imóvel é constituído pela Casa que é composta pela ala residencial, torre e capela, e, pela Quinta e Mata.
É por volta de 1442 que a propriedade passa para a posse da família e na qual se mantêm na actualidade. Conforme memória descritiva, a lista dos proprietários começa em João Afonso do Prado, Escudeiro-Fidalgo de D. João I, até 1992, em que é vendida à Sociedade Agrária da Casa de Pindela, Lda.
Enquadrado-se na arquitectura civil é caracteristicamente representativa da arquitectura revivalista de finais do século XIX, apesar da sua construção se ter iniciado no século XVI.
A ala residencial desenvolve-se em dois pisos, o 1º que corresponde a áreas de utilização agrícola , e o 2º piso, andar nobre, que corresponde a áreas de habitação, e ao qual se acede, no exterior, por uma escadaria alpendrada. Ambos os pisos são marcados por vão ritmados, sendo no 1º piso portas, no andar nobre, janelas - de sacada e de guilhotina.
"... A partir dos finais do século XVIII e durante todo o século XIX, cada proprietário das casas solarengas, almejava construir uma imponente e romântica torre ameada, evocação das suas nostalagias." , o que se verificou em Pindela, pois a torre foi construída nos finais do século XIX, não tendo no entanto ameias. De feição medieva, apresenta vãos irregulares, o vão que corresponde à porta é em arco de volta perfeita, o qual é encimado por janela de feição manuelina constituída por dois lumes e dividida por mainel.
A Capela, sob a invocação de N. Sra. da Conceição, foi construída no século XVII, mais precisamente em 1661, por iniciativa do 5º Morgado, José Pinheiro Lobo.
IPPAR

Imagens