Saltar para o conteúdo principal da página

Casa de São Vicente e do Lugar de Portas - detalhe

Designação

Designação

Casa de São Vicente e do Lugar de Portas

Outras Designações / Pesquisas

Casa de São Vicente / Quinta de São Vicente (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Póvoa de Lanhoso / Geraz do Minho

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de revogação de 17-08-2010 do Director do IGESPAR, I.P.
Proposta de arquivamento de 23-06-2010 da DRCNorte, sugerindo o envio à CM de Póvoa de Lanhoso para a ponderação da classificação como CIM
Despacho de abertura de 17-07-1991 do Presidente do IPPC
Proposta de abertura de 29-04-1991 da IPPC-Norte
Proposta de classificação de 1991 do proprietário

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Circunscrito pelas Serras do Carvalho, da Cabreira e do Gerês, o território correspondente, na actualidade, ao concelho de Póvoa de Lanhoso situa-se em importantes eixos de circulação, nomeadamente dos que ligam Braga a Chaves, através do Gerês, e Braga a Guimarães.
Uma centralidade que mereceu um interesse e uma procura da região desde tempos imorredouros, embora com especial incidência durante a Idade do Ferro e o período romano, e que não mais se desvaneceria dos seus horizontes, antes engrandecendo, à medida que se caminhava para a medievalidade, como testemunham edifícios filiados, por exemplo, no movimento estilístico românico.
Mas não só, pois também pontuam exemplares solarengos, especialmente edificados entre os séculos XVII e XVIII.
É este o caso da capela consagrada a São Vicente existente na "Casa de S. Vicente e do Lugar de Portas", cuja área residencial foi erguida já em setecentos, até que a sua reconstrução na década de oitenta da centúria passada e a sua consequente transformação em casa turística lhe conferiram renovada feição, numa reutilização reforçada pela deslumbrante envolvente paisagística.
Desenvolvida em 'L', a casa, construída na matéria-prima mais abundante na região - o granito - distribui-se ao longo de dois registos, o último dos quais rasgado, a Sul e a Oeste, por grandes janelas rectangulares de guilhotina. Quanto ao piso térreo, ele apresenta-se aberto, no alçado virado a Este, por três portas e uma janela, enquanto, ao nível do segundo andar, ostenta varanda alpendrada, típica destas construções regionais, assim como escada pétrea de dois lanços, através da qual se acede ao interior da residência.
Quanto à capela, de planta rectangular, de modestas dimensões, antecede-a pequeno alpendre, apresentando-se a fachada com porta de verga recta, culminada em empena sobrepujada por cruz oitavada, sendo soalhada e coberta por abóbada de berço de madeira, albergando retábulo-mor definido por duas colunas sobre as quais repousa frontão triangular, centralizando nicho concheado com imagem do padroeiro ladeado por tábuas com pinturas alusivas a outros Santos - António, Lourenço, Bento, Francisco Xavier e Nossa Senhora da Piedade.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Memórias ressuscitadas da Província de Entre-Douro-e-Minho

Local

-

Data

1726

Autor(es)

CRAESBEECK, Francisco Xavier da Serra

Título

Póvoa de Lanhoso, Tesouros Artísticos de Portugal

Local

Lisboa

Data

1976

Autor(es)

ALMEIDA, José António Ferreira de