Saltar para o conteúdo principal da página

Casa de Margaride, incluindo parte da quinta - detalhe

Designação

Designação

Casa de Margaride, incluindo parte da quinta

Outras Designações / Pesquisas

Casa da Quinta de Margaride (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Guimarães / Mesão Frio

Endereço / Local

Quinta de Margaride
Margaride

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-FI/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13403/2012, DR, 2.ª série, n.º 177, de 12-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 21-02-2012 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 6-06-1991 do presidente do IPPC
Proposta de classificação de 2-02-1989 do proprietário

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

É de 1507 o documento que primeiro descreve a Casa de Margaride, que então se encontrava emprazada a João Gonçalves pela família Almada (Tombo do Morgado dos Alamadas, em Guimarães). Segundo este mesmo documento tratava-se de uma "Casa térrea, telhada, com três portas em arco...". No século XVII o prazo de Margaride passou para o da varonia dos Condes de Margaride.
No último quartel do século XIX, O 2º Conde de Margaride, Henrique Cardoso de Macedo Martins de Menezes, efectuou grandes obras de ampliação e melhoramentos gerais na casa da quinta. Assim, a casa que hoje se nos apresenta nada se assemelha à descrição quinhentista. Trata-se de uma construção de linhas sóbrias, constituída por cave e dois pisos superiores, toda em aparelho de granito, com um lanço de escadas exterior de acesso à porta principal, a qual é encimada pela pedra de armas da família. No terreiro que lhe fica defronte encontra-se um belo cruzeiro, adquirido pelo 2º conde de Margaride e que, primitivamente, se encontrava junto ao Recolhimento do Anjo, em Guimarães. Compõem o conjunto diversos edifícios adjacentes de apoio à actividade agrícola, a garagem e um pequeno jardim formal com fonte e tanque em granito. A área envolvente do imóvel é constituída pela quinta propriamente dita, com terreno de regadio e mata, cuja exploração racional tem vindo a assegurar a sobrevivência económica da propriedade e, também, a manutenção da casa.
A crescente pressão imobiliária que se verifica nas cercanias da zona envolvente da quinta constitui uma ameaça à sobrevivência deste espaço marcadamente rural e repleto de uma memória secular.

Imagens