Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja do Carmo e edifício do antigo Convento Carmelita - detalhe

Designação

Designação

Igreja do Carmo e edifício do antigo Convento Carmelita

Outras Designações / Pesquisas

Convento de Nossa Senhora do Carmo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Braga / Braga (São Vicente)

Endereço / Local

Rua do Carmo
Braga

Rua Gabriel Pereira de Castro
Braga

Travessa do Carmo
Braga

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-EX/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13414/2012, DR, 2.ª série, n.º 178, de 13-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 5-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura, mas com a categoria de MIP
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Nova proposta de 1-07-2011 da DRC do Norte para a classificação como CIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Devolvido à DRC do Norte por despacho de 2-06-2010 do subdirector do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 14-05-2010 da DRC do Norte para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 7-11-2001 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 6-11-2001 da DR do Porto
Proposta de 8-06-2001, de particular, para a classificação da Igreja do Carmo e Edifício do Antigo Convento Carmelita

ZEP

Portaria n.º 740-EX/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13414/2012, DR, 2.ª série, n.º 178, de 13-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 5-12-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 1-07-2011 da DRC do Norte
Proposta de 14-05-2010 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

São escassas e díspares as informações sobre a história do convento carmelita de Braga, objecto de múltiplas alterações no início do século XX, que lhe transformaram significativamente a fachada da igreja.
Aquando da sua fundação, em 1635, que se deve à iniciativa de Frei José do Espírito Santo, o convento dos carmelitas descalços ocupava um hospício situado no Campo de São Sebastião das Carvalheiras (MENDES, 1994, p. 99). Todavia, este local parece não ter satisfeito os religiosos que, cerca de 20 anos mais tarde, compraram outros terrenos, iniciando as obras da igreja e do convento em 1654. O bom andamento dos trabalhos foi de tal ordem que, no ano seguinte (22 de Outubro de 1655) se procedeu à transferência dos carmelitas para a sua nova casa, e o Santíssimo Sacramento foi transportado em procissão solene (IDEM). Pouco mais se sabe sobre este complexo conventual, excepção feita à controvérsia instalada entre os religiosos e o pároco de São João do Couto, que durante cerca de 50 anos disputaram os dízimos e direitos paroquiais. A contenda foi favorável aos carmelitas "não podendo os párocos de São João do Souto passar a exercer absolutamente nenhum direito de jurisdição na igreja do Carmo" (OLIVEIRA, 1999, p. 233).
O convento, no qual se inclui o claustro, desenvolve-se em torno da igreja, esta última com planta em forma de cruz latina, de nave única, com coro alto, dois púlpitos e duas capelas laterais. O cruzeiro é coberto por cúpula e, no transepto encontram-se outros dois altares. O arco triunfal apresenta sanefa de talha dourada e na capela-mor o retábulo é de feitura recente, tendo como modelo o da igreja do Bom Jesus do Monte (IDEM, p. 235). Na verdade, apenas os retábulos do cruzeiro são de época joanina, destacando-se ainda as caixas dos órgãos "com as suas estranhíssimas bacias, sem comparação com nenhumas outras nesta zona de Braga, mais parecendo que vieram importadas directamente do sul da Alemanha ou da Áustria" (IDEM).
Após a extinção das Ordens Religiosas, em 1834, o convento acolheu o Hospital Militar, e o claustro, com silhar de azulejos rococó, insere-se na área que corresponde ao Colégio do Carmo, ou Colégio Dublin, aqui instalado desde 1918 (MENDES, 1994, p. 100).
A fachada da igreja foi profundamente modificada entre 1908 e 1911. Não satisfeitos com a depuração arquitectónica deste alçado, os então responsáveis pelo templo optaram por encarregar o arquitecto João de Moura Coutinho de Almeida e Eça de conceber um projecto para dignificar o templo. Se o primeiro registo parece ter sido respeitado, o alçado conheceu, nesta época, a elevação que ainda hoje mantém, com a torre central a definir uma espécie de trono em vários andares. Seccionado verticalmente por pilastras, e dividido em quatro registos por duplas cornijas, esta fachada é aberta, no piso térreo, por três arcos de volta perfeita - o central, mais amplo, permite o acesso ao endonartéx e à igreja, e os laterais às antigas dependências conventuais. Sobrepõe-se-lhe um óculo, dois janelões e, por fim, a sineira, terminando a torre numa cúpula com lanternim e com a imagem de Nossa Senhora do Carmo.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Guia de Braga turístico e histórico

Local

Braga

Data

1994

Autor(es)

MENDES, Fernando

Título

Braga - percursos e memória de granito e oiro

Local

Porto

Data

1999

Autor(es)

OLIVEIRA, Eduardo Pires de

Título

Braga - roteiro histórico e monumental

Local

Braga

Data

1998

Autor(es)

COSTA, Luís