Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Santo Cristo, também denominada Capela de São Bartolomeu - detalhe

Designação

Designação

Capela de Santo Cristo, também denominada Capela de São Bartolomeu

Outras Designações / Pesquisas

Capela de São Bartolomeu / Capela de Santo Cristo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Vimioso / Caçarelhos e Angueira

Endereço / Local

Largo da Capela, junto ao Largo do Cónego Rocha
Vimioso

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 443/2006, DR, II Série, n.º 49, de 9-03-2006 (ver Portaria)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A capela de São Bartolomeu situa-se num largo de dimensões reduzidas, no qual se encontra implantado um cruzeiro barroco, muito possivelmente, contemporâneo da edificação da capela, pois comunga da mesma linguagem.
Delimitada por pilastras nos cunhais, com pináculos no seu prolongamento, a fachada principal da capela termina em empena, constituindo a composição que envolve o portal o seu motivo de maior interesse. Este, é aberto por um arco abatido, enquadrado por moldura de cantaria com aletas na base, e frontão contracurvado no remate. A composição prolonga-se através da cartela superior com inscrição, profusamente decorada com motivos diversos (concheados e vegetalistas), terminando num óculo recortado envolto por uma moldura com diferentes elementos decorativos.
Ladeiam o portal, dois óculos em forma de elipse, de cercadura simples e uma concha no remate superior.
A cartela que se encontra sobre o portal, permite-nos conhecer a história da edificação desta capela, ocorrida em 1776, por iniciativa do abade Jerónimo de Moraes Castro, e com a ajuda dos devotos do Apóstolo São Bartolomeu, a quem o templo foi dedicado.
No interior, de nave e capela-mor rectangulares, separadas por arco triunfal de volta perfeita, ganha especial interesse o púlpito com balaustrada de pau preto, do lado do Evangelho, e o retábulo-mor, de talha polícroma. Este, conjuga uma estrutura joanina com ornamentação já rocaille, numa confluência de linguagens que tem vindo a ser atribuída, ainda que com reservas, ao entalhador José Fernandes, activo nesta região na segunda metade do século XVIII (MOURINHO, 1984, p. 209; IDEM, http://www.bragancanet.pt/bemposta/html/cultura.htm). Na tribuna, exibe-se uma imagem de Cristo Crucificado.
Uma última referência à sacristia, anexa do lado da Epístola, e à qual se acede a partir da capela-mor, por porta de verga recta. Aqui se encontra um arcaz de talha rococó, de grande interesse.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

A talha nos concelhos de Miranda do Douro, Mogadouro e Vimioso nos séculos XVII e XVIII

Local

Miranda do Douro

Data

1984

Autor(es)

MOURINHO JÚNIOR, António Rodrigues