Saltar para o conteúdo principal da página

Recinto Megalítico de São Cristóvão - detalhe

Designação

Designação

Recinto Megalítico de São Cristóvão

Outras Designações / Pesquisas

Cromeleque de São Cristóvão / Recinto Megalítico de São Cristóvão(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Cromeleque

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Resende / Felgueiras

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 1050/2010, DR, 2.ª Série, n.º 239, de 13-12-2010 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 20-06-2005 da Ministra da Cultura
Parecer favorável de 13-01-2005 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de classificação como IIP de 4-03-2001 da DR do Porto
Despacho de abertura de 19-04-2001 do vice-presidente do IPPAR

ZEP

Portaria n.º 1050/2010, DR, 2.ª Série, n.º 239, de 13-12-2010 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 2-09-2009 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 12-02-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR
Parecer favorável de 15-11-2006 do IPA
Proposta de 8-09-2006 da DR do Porto

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

"Em vias de classificação" desde 2001, o arqueossítio do "Recinto Megalítico de São Cristovão" corresponde, na verdade, a um cromeleque, mais vulgarmente conhecido por "São Cristóvão", embora inclua a "Mamoa 1" de Feirão-Felgueiras, que parece destacar-se das demais insertas no domínio do "Conjunto Megalítico de Felgueiras-Feirão", em razão da sua implantação, a uma cota sensivelmente superior. E, tal como ocorre com parte significativa dos restantes testemunhos desta tipologia arqueológica, também esta mamoa - ou tumulus - foi alvo de intrusão por parte dos eternos caçadores de "tesouros encantados", ao mesmo tempo que de materiais de construção mais adequados às novas necessidades intrínsecas das suas vivências quotidianas, como se poderá facilmente comprovar pela presença da característica "cratera de violação". E, na verdade, o único elemento remanescente das partes constituintes do dólmen que protegia, ou seja, a câmara de inumação colectiva, refere-se ao topo de um esteio de igual modo afeiçoado em granito.
Construído em pleno Neo-calcolítico desta região do actual território português, o sítio constituído pelo cromeleque, propriamente dito, apresenta-se distribuído ao longo de aproximadamente mil metros quadrados de uma, relativamente acentuada, depressão de terreno.
De finalidade cultual, por excelência, ainda que motivando as mais vivas discussões no seio da comunidade arqueológica, o cromeleque apresenta-se configurado por quarenta monólitos graníticos fincados no solo, definindo uma planta ovalada, que parece encerrar no seu interior uma segunda linha de elementos pétreos.
Estaríamos, assim, em presença de testemunhos de uma prática funerária e ideocrática correspondente a um universo muito específico de comunidades agro-pastorís, ou seja, suficientemente sedentárias para velarem pelos seus defuntos, pelas referências-esteios da sua própria forma de ser, estar e actuar perante si e os outros, reforçada através de um movimento perpétuo de construção que exigiria um esforço concertado de todas as vontades existentes. Uma ocorrência que poderá apontar, ainda que indirectamente, para um determinado padrão de sociabilidade, assente em valores essencialmente colectivos, decorrentes, em boa parte, do processo denominado por "Revolução dos Produtos Secundários", que conduziria, inevitavelmente, a um reforço dos sistemas de cooperação intra e intercomunitários (JORGE, S. O., 1990, p. 122), ao mesmo tempo que de uma certa diferenciação vertical observada no seio destas comunidades, aglutinadas através da edificação de vários monumentos megalíticos, dos quais se destacavam os cromeleques.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

A consolidação do sistema agro-pastoril, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

JORGE, Susana de Oliveira

Título

Carta Arqueológica do Concelho de Resende

Local

Resende

Data

1997

Autor(es)

CORREIA, Alexandre Lourenço, SILVA, Eduardo Jorge Lopes da, MEDEIROS, Maria Idalina de Almeida