Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Bartolomeu, paroquial de São Bartolomeu - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Bartolomeu, paroquial de São Bartolomeu

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de São Bartolomeu de Borba / Igreja de São Bartolomeu(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Borba / Borba (São Bartolomeu)

Endereço / Local

Rua de São Bartolomeu
Borba

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 107/2014, DR, 2.ª série, n.º 30, de 12-02-2014 (ver Portaria)
Procedimento (indevidamente) prorrogado até 31 de Dezembro de 2011 pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30 de Dezembro (ver Despacho)
Despacho de homologação de 29-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 19-09-2002 da DR de Évora para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 18-02-2002 do vice-presidente do IPPAR
Informação favorável de 14-02-2002 da DR de Évora
Proposta de classificação de 3-12-2001 da CM de Borba

ZEP

Parecer favorável de 23-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-11-2010 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo por despacho de 11-02-2010 do diretor do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 10-12-2009 da DRC do Alentejo para a ZEP dos imóveis classificados e em vias de classificação da Vila de Borba
Em 20-09-2006 a CM de Borba enviou documentação
Em 10-03-2003 a DR de Évora solicitou elementos à CM de Borba
Despacho de homologação de 29-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 23-01-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 14-02-2002 da DRÉvora

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Embora se desconheça a data exacta da sua fundação, o primitivo templo de São Bartolomeu era uma pequena ermida, comenda da Ordem de São Bento de Avis, fundada possivelmente no século XV (ESPANCA, Túlio, 1978), e agregada à Igreja de Nossa Senhoral de Soveral. No ano de 1590 Filipe II instituiu o curado de São Bartolomeu, com sede na pequena ermida medieval, e em 1596 aquele era elevado a priorado.
Nessa época decidiu-se edificar um novo templo, uma vez que a ermida não se adequava às novas funções, pelas suas dimensões reduzidas. Esta profunda reforma estrutural, que deu origem a um novo templo edificado de raiz, foi executada pelo mestre João Fernandes (Idem, ibidem), prolongando-se pelos primeiros anos do século XVII.
O actual templo apresenta uma estrutura de gosto clássico e linhas austeras, cuja planimetria rectangular está implantada longitudinalmente, sendo composto por nave única coberta por abóbada de nervuras de três tramos, e capela-mor.
A fachada do templo é marcada pela disposição de dois contrafortes, apresentando ao centro portal quinhentista composto por moldura rectangular ladeada por duas colunas jónicas de fuste estriado que assentam sobre bases onde foram gravados, em relevo, elementos alusivos ao martírio de São Bartolomeu. Infelizmente, este conjunto foi truncado pela abertura de uma janela no século XVIII, amputando o remate do portal, executado por um nicho com a imagem do padroeiro.
Sendo no século XVI o maior templo edificado no centro da vila de Borba, uma vez que a matriz estava implantada fora do perímetro urbano, a Igreja de São Bartolomeu acabaria por ser elevada a sede de paróquia no ano de 1609. Por este motivo, no ano seguinte foram realizadas obras de renovação e embelezamento do espaço interior, que conferiram grande riqueza decorativa ao espaço.
Desta forma, o espaço interior foi coberto, nas paredes laterais, com azulejos de tapete, de padrão de maçarocas, executados nessa época. O elemento de maior destaque é o magnífico conjunto de pinturas maneiristas de brutesco que decoram os espaços da abóbada da nave, composto por medalhões alusivos à vida de São Bartolomeu e adornos de ferroneries composições de gosto flamengo.
A capela-mor, de planta quadrada, era originalmente decorada com painéis de azulejo semelhantes aos que forram as paredes da nave. No entanto, uma campanha de obras executada cerca de 1730 alterou o programa decorativo deste espaço. Os azulejos seiscentistas foram retirados, e o espaço foi preenchido com telas alusivas a passagens do Antigo Testamento e do Novo Testamento. Foi também colocado um novo retábulo de talha dourada, executado e edificado em 1733 por Manuel Nunes, um entalhador lisboeta radicado em Vila Viçosa (Gabinete Técnico Local de Borba).
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - vol. IX (Distrito de Évora, Zona Sul, volume I)

Local

Lisboa

Data

1978

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Borba - Património da Vila Branca

Local

Borba

Data

2007

Autor(es)

SIMÕES, João Miguel