Saltar para o conteúdo principal da página

Casa Nobre dos Morgados Cardoso - detalhe

Designação

Designação

Casa Nobre dos Morgados Cardoso

Outras Designações / Pesquisas

Palacete dos Morgados Cardoso(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Évora / Borba / Borba (Matriz)

Endereço / Local

Rua de São Francisco
Borba

Rua da Cruz
Borba

Número de Polícia: 5

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 715/2012, DR, 2.ª série, n.º 237, de 7-12-2012 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 23-10-2002 do Ministro da Cultura
Parecer fabvorável de 26-09-2002 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 15-05-1997 da DR de Évora para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 24-02-1997 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 19-02-1997 da DR de Évora

ZEP

Parecer favorável de 23-02-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 12-11-2010 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo por despacho de 11-02-2010 do director do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 10-12-2009 da DRC do Alentejo para a ZEP dos imóveis classificados e em vias de classificação da Vila de Borba
A CM de Borba enviou documentação em 20-09-2006
A DR de Évora solicitou elementos à CM de Borba em 10-03-2003

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa nobre dos Morgados Cardoso foi edificada no último terço de Setecentos, e constitui um dos mais aparatosos imóveis de Borba. Nesta época, e até ao final da centúria, outras casas foram também erguidas, como o solar dos fidalgos Sousa Carvalho e Melo, com o qual partilha uma planimetria e organização da distribuição do espaço. Admite-se que estes novos solares possam inscrever-se numa dinâmica construtiva que reflecte o crescimento de Borba e de algumas das suas mais importantes famílias, que culminou com o edifício dos Paços do Concelho e o vasto plano urbanístico para a zona oriental da vila.
Os proprietários da casa à época da sua construção eram os morgados Carlos e João Cardoso Moniz de Castelo Branco, respectivamente pai e filho, e que desempenharam o cargo de vereador municipal em 1783 e 1815 (ESPANCA, 1966). Posteriormente, o imóvel foi transferido para outras famílias, mantendo-se ainda hoje como em posse de particulares que o transformaram numa unidade de Turismo de Habitação.
A fachada principal é, naturalmente, a que mais se destaca, embora a casa possua ainda mais dois alçados independentes. Seccionado por pilastras que o dividem em três corpos, o frontispício é rematado por cornija saliente e, nos cunhais, subsistem os suportes dos brasões que, ou foram retirados ou nunca chegaram a estar presentes. Os vãos simétricos, de verga curva, abrem-se ao longo de todo o alçado, com janelas e portas no piso térreo, janelas de sacada no segundo piso, rematadas por frontões contracurvados, e janelas de peito no terceiro. Em todos os corpos merece especial destaque a janela de sacada central, mais larga e com um frontão mais imponente. Túlio Espanca chama a atenção para o trabalho das grades que protegem as varandas, de influência francesa, estilo Luís XIV. Note-se ainda a utilização de molduras em forma de corda que voltaremos a encontrar no interior da habitação.
O portal, de verga recta e cartelas angulares, encontra-se num dos corpos laterais, mas não ao centro. O frontão que o remata liga-se directamente à janela de sacada do piso superior, envolvendo um óculo flanqueado por vieiras.
No interior, o hall de entrada é coberto por abóbada de nervuras de inspiração manuelina. As três portas que aqui se abrem permitem o acesso à imponente escadaria de mármore. Nas salas do andar nobre, a cobertura de masseira foi substituída por estuque, em finais do século XIX (ESPANCA, 1966). De acordo com Túlio Espanca, o pintor borbense José da Silva Carvalho também aqui trabalhou, havendo notícia de um Calvário na sala principal mas hoje substituído pelo escudo dos proprietários do imóvel, e de uma outra tela dedicada a Nossa Senhora do Carmo patente no retábulo da sacristia do oratório, com esta invocação.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. VII (Concelho de Évora - volume I)

Local

Lisboa

Data

1966

Autor(es)

ESPANCA, Túlio

Título

Borba - Património da Vila Branca

Local

Borba

Data

2007

Autor(es)

SIMÕES, João Miguel