Saltar para o conteúdo principal da página

Edifício da Caixa Geral de Depósitos de Castelo Branco - detalhe

Designação

Designação

Edifício da Caixa Geral de Depósitos de Castelo Branco

Outras Designações / Pesquisas

Edifício da Caixa Geral de Depósitos, CGD, de Castelo Branco (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Banco

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Castelo Branco / Castelo Branco

Endereço / Local

Praça do Município
Castelo Branco

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 630/2012, DR, 2.ª série, n.º 211, de 31-10-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 6251/2012, DR, 2.ª série, n.º 58, de 21-03-2012 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Parecer favorável de 31-05-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 26-06-2003 da DR de Castelo Branco para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 18-12-2001 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de classificação de 14-12-2001 da DR de Castelo Branco

ZEP

Despacho de concordância de 19-09-2019 da diretora-geral da DGPC e a determinar o envio do processo à DRC para reanálise da proposta de ZEP
Parecer de 19-07-2019 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a concordar com a delimitação mas a considerar as restrições/articulados vagos e algo permissivos, propondo a a revisão da proposta de ZEP no sentido de maior rigor e objetividade no sentido de facilitar o processo de decisão baseado em critérios claros e objetivos que contrariem a decisão casuística
Proposta de 19-07-2018 da DRC do Centro
Em 7-06-2018 a CM de Castelo Branco informou que o Órgão Executivo da CM, em reunião de 1-06-2018, deliberou por unanimidade aprovar a proposta de ZEP
No seguimento de nova reunião com a CM de Castelo Branco, em 20-04-2018 a DRC do Centro enviou nova proposta à autarquia
Proposta de alteração de 5-01-2018 da CM de Castelo Branco
Em 2-08-2017 a DRC do Centro enviou nova proposta à CM de Castelo Branco
Em 8-03-2017 a CM de Castelo Branco informou não concordar com a obrigatoriedade de acompanhamentop arqueológico para qualquer tipo de obra de revoilvimento do solo
No seguimento de reunião com a CM de Castelo Branco, em 2-12-2016 a DRC do Centro enviou nova proposta à autarquia
Em 10-03-2016 a CM de Castelo Branco informou não se justificar o estabelecimento da referida ZEP
Em 15-12-2015 a DRC do Centro enviou nova proposta à CM de Castelo Branco
Em 8-05-2013 a CM de Castelo Branco informou que o Órgão Executivo da CM, em reunião de 3-05-2013, deliberou por unanimidade aprovar a proposta de ZEP
Em 18-04-2013 a DRC do Centro enviou proposta de ZEP à CM de Castelo Branco para emissão de parecer

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Projectado por Luís Cristino da Silva, "mentor estético, gráfico e arquitectónico do Regime" durante o Estado Novo (FERNANDES, José Manuel, 2003, p. 70), o Edifício da Caixa Geral de Depósitos integra uma série de filiais executadas pelo arquitecto para a instituição financeira entre 1938 e 1943 para as cidades de Guarda, Castelo Branco e Leiria.
De planta rectangular, o edifício apresenta uma fachada simétrica. A entrada principal é servida por uma escadaria, ladeada por dois varandins e duas fenestrações. A parte superior do portal enquadra a designação da instituição em letras esculpidas em relevo, alternadas por frisos de folhagens. A fachada é rematada por um beiral e dois pináculos, elementos típicos nas edificações da arquitectura pública da época. O corpo lateral possui uma "colunata parcial" inserida na fachada que faz o enquadramento das janelas do edifício.
Os edifícios da Caixa Geral de Depósitos eram habitualmente edificados em lugares centrais do perímetro urbano das cidades e vilas, como acontece neste caso, em que a filial de Castelo Branco foi edificada na Praça do Município.
A série de edifícios realizada por Cristino da Silva para aquela instituição estatal merece especial destaque "pela qualidade de desenho, materiais e pormenorização, quer exterior, quer internamente (...)" (Idem,ibidem, p. 116).
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2004

Imagens

Bibliografia

Título

Luís Cristino da Silva e a arquitectura em Portugal

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

RODOLFO, João de Sousa

Título

Português Suave - Arquitecturas do Estado Novo

Local

Lisboa

Data

2003

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel