Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Misericórdia de Oleiros - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Misericórdia de Oleiros

Outras Designações / Pesquisas

Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Oleiros (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Oleiros / Oleiros - Amieira

Endereço / Local

Rua da Misericórdia
Oleiros

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 620/2014, DR, 2.ª série, n.º 142, de 25-07-2014 (ver Portaria)
Parecer favorável de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 18-10-2012 da DGPC para desdobramento do procedimento
Procedimento (indevidamente) prorrogado até 31-12-2011 pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de homologação de 23-12-1996 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 10-09-1996 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 20-12-1995 da DR de Coimbra para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 13-10-1995 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 10-10-1995 da DR de Coimbra para a abertura do processo de instrução da classificação do conjunto arquitectónico constituído pela Igreja Matriz de Oleiros e Igreja da Misericórdia de Oleiros

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundada em 1578, a Irmandade da Misericórdia de Oleiros instalou-se num templo já existente na vila, edificado no início do século XVI. Embora esta igreja seja, de raiz, de construção quinhentista, a sua estrutura foi completamente alterada no primeiro quartel do século XVIII.
De planta longitudinal, com nave única, o templo apresenta uma fachada muito simples, com portal de moldura recta encimado por nicho e janela, sem qualquer programa decorativo.
No interior destaca-se o espaço da capela-mor, reformulado por uma campanha decorativa barroca executada cerca de 1714, durante a qual foi edificado o tecto de caixotões e o retábulo-mor, de talha dourada de estilo nacional. SML

Imagens

Bibliografia

Título

Guia de Portugal, Beira II - Beira Baixa e Beira Alta

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

DIONÍSIO, Sant'Ana

Título

Portugal antigo e moderno: diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias...

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de, FERREIRA, Pedro Augusto

Título

Novo Dicionário Corográfico de Portugal

Local

Porto

Data

1981

Autor(es)

FRAZÃO, A. C. Amaral

Título

Castelo Branco e a sua Região

Local

Coimbra

Data

1980

Autor(es)

NUNES, António Pires

Título

Memórias da vila de Oleiros e do seu concelho

Local

Angra do Heroísmo

Data

1881

Autor(es)

PIMENTEL, D. João Amaral