Saltar para o conteúdo principal da página

Núcleo intramuros de Serpa - detalhe

Designação

Designação

Núcleo intramuros de Serpa

Outras Designações / Pesquisas

Núcleo urbano da cidade de Serpa / Núcleo intramuros de Serpa (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Mista / Núcleo Histórico

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Serpa / Serpa (Salvador e Santa Maria)

Endereço / Local

Zona intramuros de Serpa
Serpa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como CIP - Conjunto de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 574/2011, DR, 2.ª série, n.º 109, de 6-06-2011 (sem restrições) (ver Portaria)
Edital de 20-08-2003 da CM de Serpa
Despacho de homologação de 29-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer favorável de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 9-06-1997 da DR de Évora para a classificação como IIP
Edital de 30-01-1997 da CM de Serpa
Despacho de abertura de 28-02-1994 do presidente do IPPAR
Proposta de 25-02-1994 da DR de Évora para a abertura da instrução do processo de classificação
Proposta de classificação de 17-05-1993 da CM de Serpa

ZEP

Portaria n.º 574/2011, DR, 2.ª série, n.º 109, de 6-06-2011 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 9-11-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Edital de 19-01-2010 da CM de Serpa
Parecer favorável de 28-10-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Nova proposta de 1-09-2009 da DRC do Alentejo
Proposta de 19-08-2002 da DR de Évora

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Povoado de origens pré-históricas, a vila de Serpa foi ocupada sucessivamente por núcleos romanos e árabes, sendo definitivamente conquistada pelas tropas cristãs no primeiro quartel do século XIII.
O núcleo muçulmano, designado por "Castelo Velho", corresponde ao bairro mais antigo da urbe, distinguindo-se pela planimetria irregular das ruas. Terá sido aqui que os árabes edificaram a alcáçova, e a sua mesquita, cujas fundações se situariam onde o poder cristão edificou a Igreja de Santa Maria (C. M. Serpa, s.d.).
Com a conquista definitiva da vila baixo-alentejana em 1230, conquistada por tropas templárias, o tecido urbano de Serpa vai conhecendo um gradual desenvolvimento. Em 1295, D. Dinis doou-lhe o seu primeiro foral, mandando construir uma grande cortina de muralhas, que aproveitou parte da estrutura muralhada da alcáçova islâmica.
Este recinto rectangular a que correspondem as muralhas dionisinas foi sendo progressivamente ocupado pelo casario medieval. No entanto, o século XIV veio trazer um abrandamento do crescimento, e somente duzentos anos mais tarde, durante o reinado de D. Manuel, a vila voltaria a crescer, expandindo-se para fora dos muros, com a criação da freguesia do Salvador.
O recinto de muralhas medieval, embora actualmente bastante danificado, pode ainda hoje ser reconstituído. Formando um desenho poligonal, que à época da sua edificação constituía uma fortaleza de grandes dimensões, o castelo integra a torre de menagem quadrangular e a alcáçova, quadrangular.
Em toda a sua extensão, o pano de muralhas é reforçado por cubelos e torres, e o acesso ao interior é feito através de duas grandes portas flanqueadas por torreões cilíndricos. O espaço ovalado que se define dentro do castelo é marcado sobretudo pela Igreja de Santa Maria e pela Torre do Relógio. Sobre parte das muralhas foi construído o Palácio dos Melos e o aqueduto da vila.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2007

Bibliografia

Título

Serpa, vila branca

Local

Sepa

Data

-

Autor(es)

Câmara Municipal de Serpa