Saltar para o conteúdo principal da página

Garagem do Jornal "O Comércio do Porto" - detalhe

Designação

Designação

Garagem do Jornal "O Comércio do Porto"

Outras Designações / Pesquisas

Garagem do Comércio do Porto / Edifício de Garagem do Jornal "O Comércio do Porto"(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Porto / Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória

Endereço / Local

Rua Almada / Elísio de Melo
Porto

Número de Polícia: 218

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 582/2011, DR, 2.ª Série, n.º 113, de 14-06-2011 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 1-10-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 21-02-2008 da DRC do Norte para a classificação como IIP
Despacho n.º 85/GP/05 de 29-09-2005 do presidente do IPPAR a determinar a abertura do processo de classificação
Proposta de classificação de 25-10-2004 de um grupo de cidadãos

ZEP

Portaria n.º 582/2011, DR, 2.ª Série, n.º 113, de 14-06-2011 (sem restrições) (ZEP conjunta da Garagem do Jornal O Comércio do Porto e do conjunto da Praça da Liberdade, Avenida dos Aliados e Praça do General Humberto Delgado) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer favorável de 1-10-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 21-02-2008 da DRC do Norte para a ZEP conjunta da Garagem e da Praça da Liberdade, Avenida dos Aliados e Praça Humberto Delgado

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Obra-prima do modernismo portuense, introduz uma inusitada ruptura semântica e sintática e confirma a versatilidade do autor no manuseamento de diversos códigos. O momento de ruptura, assume-se na expressividade volumétrica e na força do gesto, mas também no corte deliberado com o edíficio contíguo, que o autor também projectou: a sede das instalações do mesmo jornal que torneja para a avenida dos Aliados. A modernidade com sentido de vanguarda e purismo é trazida para trás da via principal e certamente apoiada no alibi programático: trata-se de uma garagem urbana desenvolvida em vários pisos, incluindo escritórios. Enorme gaveto, joga com o desnível da rua, justapondo uma caixa de iluminação ao alto e uma fachada de escritórios tratada em volume saliente que é articulada por uma torre cilindrica. A expressividade do jogo volumétrico, livre de qualquer ornamentação, é acentuada pelo vazio da abertura da entrada da garagem ao nível térreo encimada por uma pala, revelando, tal como na rampa helicoidal de acesso automóvel, o uso inovador do betão armado.

Imagens

Bibliografia

Título

Arquitectura Moderna Portuguesa 1920-1970. Um Património a Conhecer e Salvaguardar

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa dos Anos 50

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana