Saltar para o conteúdo principal da página

Liceu Diogo de Gouveia - detalhe

Designação

Designação

Liceu Diogo de Gouveia

Outras Designações / Pesquisas

Escola Secundária Diogo de Gouveia
Antigo Liceu Nacional Fialho de Almeida
Antigo Liceu Nacional de Beja / Liceu de Beja / Liceu Nacional de Diogo de Gouveia / Liceu Nacional de Jacinto de Matos / Liceu Nacional de Fialho de Almeida (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Escola

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Beja / Beja (Santiago Maior e São João Baptista)

Endereço / Local

Rua Luís de Camões
Beja

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 269/2013, DR, 2.ª série, n.º 90, de 10-05-2013 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 6-02-2013 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13679/2012, DR, 2.ª série , n.º 219, de 13-11-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 6-03-2012 do diretor-geral da DGPC
Parecer de 29-02-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Nova proposta de 14-06-2010 da DRC do Alentejo
Proposta de 27-11-2009 da DRC do Alentejo para a classificação como IIP
Edital de 9-02-2006 da CM de Beja
Despacho n.º 67/GP/05 de 21-07-2005 do presidente do IPPAR a determinar a abertura do processo de classificação

ZEP

Portaria n.º 269/2013, DR, 2.ª série, n.º 90, de 10-05-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 6-02-2013 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 13679/2012, DR, 2.ª série , n.º 219, de 13-11-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 6-03-2012 do diretor-geral da DGPC
Parecer favorável de 29-02-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 25-10-2010 da DRC do Alentejo
Devolvido à DRC do Alentejo por despacho de 11-02-2010 do director do IGESPAR, I.P., para aplicação do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma)
Proposta de 27-11-2009 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Foi em 1930 que o arquiteto Luís Cristino da Silva apresentou ao Ministério da Instrução Pública o projeto do novo edifício do Liceu de Beja, numa solução que se caracteriza pelo "internacionalismo" e "funcionalismo", seguindo as normas construtivas e programáticas da escola moderna estabelecidas pelo concurso público. (MONIZ, Gonçalo Canto, 2004, pp. 72-73).
O edifício, erigido entre 1931 e 1935, "(...) constituí veículo para a afirmação de um pioneiro modernismo que se começa a estender para além dos grandes centros urbanos." (TOSTÕES, Ana, 2004, p. 178). A planta em U dispõe os módulos construtivos de betão armado em dois grandes eixos perpendiculares assimétricos: o eixo que se desenvolve paralelo à rua, composto pelo corpo principal, um braço lateral, com corredor e ao qual se adossam espaços de recreio, e o corpo posterior, com salas de aula, o ginásio e a piscina.
Na fachada principal destaca-se a imponência maciça do betão, rasgada por grandes vãos envidraçados, que ao permitirem a entrada de luz marcam o ritmo da frontaria. A entrada é precedida por um portão gradeado, e sobre a entrada principal o único elemento decorativo exterior, a designação do liceu em alto-relevo. A fachada posterior, marcada pela regularidade da abertura de janelas, confere sobriedade ao edifício.
À entrada do edifício, decorando o pátio principal, sobressai o painel de azulejos fabricado na Fábrica Viúva de Lamego, pintado por Eduardo Leite, segundo um cartão de Dordio Gomes, com uma cena de cariz regionalista, na qual se representação ceifeiros alentejanos. O espaço interior é marcado por terraços de betão, que se articulam entre os diferentes edifícios, o recreio coberto, os largos corredores, as escadas amplas que interligam os três pisos, o ginásio com varandim superior.
Inaugurado em 1936, o Liceu Nacional Diogo de Gouveia foi uma das primeiras, e mais puristas, obras do Modernismo português, destacando-se pelo despojamento ornamental aliado às formas que o uso do botão permitiu explorar e pela assimetria da planta, determinada por questões de funcionalismo prático.
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR, I.P./ Janeiro de 2012

Bibliografia

Título

Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa dos Anos 50

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

O Liceu Moderno - do Programa-tipo ao Liceu-máquina, Arquitectura Moderna Portuguesa 1920-1970, pp. 67-81

Local

-

Data

-

Autor(es)

MONIZ, Gonçalo Canto

Título

51 Obras Modernas, Arquitectura Moderna Portuguesa, 1920-1970, pp. 173-285

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

TOSTÕES, Ana, FOLGADO, Deolinda, COSTA, Sandra Vaz, FIGUEIREDO, Rute

Título

Arquitectura Moderna e Obra Global a partir de 1900

Local

Porto

Data

2009

Autor(es)

TOSTÕES, Ana