Saltar para o conteúdo principal da página

Casa das Marinhas - detalhe

Designação

Designação

Casa das Marinhas

Outras Designações / Pesquisas

Casa das Marinhas / Casa do Moinho (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Braga / Esposende / Esposende, Marinhas e Gandra

Endereço / Local

Rua 24 de Junho
Lugar do Monte

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-FA/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (ver Portaria)
Anúncio n.º 13438/2012, DR, 2.ª série, n.º 182, de 19-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 19-04-2011 da DRC do Norte para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho n.º 72/2004 de 1-07-2004 do presidente do IPPAR a determinar a abertura do processo de classificação
Proposta de classificação de 22-06-2004 de particular

ZEP

Portaria n.º 740-FA/2012, DR, 2.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 13438/2012, DR, 2.ª série, n.º 182, de 19-09-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 18-06-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 19-04-2011 da DRC do Norte

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

«Apesar de prevalecer, ao longo do itinerário de Viana de Lima, uma perspectiva idealizante e apologética dos fundamentos do movimento moderno, a linguagem desenvolvida para a moradia que constrói na freguesia de Marinhas, em Esposende, para sua própria habitação, não deixa dúvidas quanto à presença de uma dimensão nostálgica que a arquitectura sempre deixou nesta geração de arquitectos, mesmo antes da publicação do Inquérito à Arquitectura Popular Portuguesa. A sua implantação sobre uma pequena colina, pontuada pela presença de um velho moinho de vento que é assumido modernamente como um volume puro, enunciava, desde logo, a convivência de registos diferenciados, numa oscilação constante entre uma dimensão moderna, denunciada na cobertura plana da casa, ou no avanço da varanda do atelier sobre o espaço exterior, e uma visão culturalista marcada pela textura rústica das paredes de pedra, pela recorrência aos elementos construtivos locais que integra no edifício, ou pela procura de uma intimidade afastada de uma ideia mecânica do habitar. Uma dupla linguagem que, assim, reforça o uso estratégico simultaneamente crítico e criativo dos valores que convoca.» Rute Figueiredo, 2001.

Imagens

Bibliografia

Título

Arquitectura Moderna Portuguesa 1920-1970. Um Património a Conhecer e Salvaguardar

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

AA.VV.

Título

Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa dos Anos 50

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Viana de Lima

Local

Vila do Conde

Data

2011

Autor(es)

CASTRO, Cármen