Saltar para o conteúdo principal da página

Torre de São Vicente de Belém / Torre de Belém - detalhe

Designação

Designação

Torre de São Vicente de Belém / Torre de Belém

Outras Designações / Pesquisas

Torre de Belém / Torre de São Vicente a Par de Belém / Torre de São Vicente (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Militar / Torre

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Belém

Endereço / Local

Avenida Brasília
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Inscrito na Lista do Património Mundial na 7.ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO, em Dezembro de 1983 (ver Lista)
Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (classificou com a designação de Torre de São Vicente de Belém) (ver Decreto)
Decreto de 10-01-1907, DG, n.º 14, de 17-01-1907 (classificou com a designação de Torre de São Vicente)

ZEP

Portaria n.º 44/92, DR, 2.ª Série, n.º 36, de 12-02-1992 (sem restrições)
Edital N.º 204/91 de 14-08-1991 da CM de Lisboa
Despacho de concordância de 22-02-1991 do Secretário de Estado da Cultura
Proposta de ampliação de 20-02-1991 do IPPC
Informação favorável de 21-11-1990 da 9.ª Secção do Conselho Consultivo do IPPC
Proposta de ampliação de 19-11-1990 do IPPC
Portaria de 29-12-1959, publicada no DG, II Série, n.º 11, de 14-01-1960

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Inscrito na Lista da UNESCO

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Torre de São Vicente de Belém, nomeada em homenagem ao santo patrono de Lisboa, foi mandada erguer por D. Manuel, destinando-se a terminar a obra de defesa da barra do Tejo iniciada por D. João II. O plano joanino de defesa do estuário fora iniciado com a construção da Torre de Cascais, que funcionava como vigia, e da Torre Velha da Caparica, na margem sul, destinada a cruzar fogo com a fortaleza do Restelo, esta mesma que só viria a ser levantada pelo seu sucessor. Entretanto, a meio do Tejo fora fundeada a Grande Nau, uma embarcação de 1000 tonéis fortemente artilhada, que complementava provisoriamente as baterias de terra. Quando o novo baluarte foi construído, sobre um afloramento rochoso fronteiro à praia de Belém, estava totalmente cercado pela água, evocando seguramente em todos quantos a viam a memória da nau que o antecedeu. Ficava completo o triângulo defensivo da barra, com vértices no Restelo, em Cascais e em Porto Brandão. Já em finais do século XVI, quando foram definitivamente fixados os nomes dos baluartes de São Sebastião da Caparica e Santo António de Cascais, a defesa marítima da capital ficaria simbolicamente assegurada pelos três santos lisboetas por excelência.
O arquitecto da torre, erguida entre 1514 e 1520, foi Francisco de Arruda, provavelmente trabalhando sob a supervisão de Boitaca (então a dirigir o estaleiro do vizinho Mosteiro dos Jerónimos). E é particularmente aqui, no projecto experimentalista da torre, que se revela o génio de um dos maiores arquitectos de D. Manuel. Recém-chegado do Norte de África, onde a sua considerável experiência fora aplicada nas obras de várias praças-fortes, Arruda foi capaz de criar uma fortaleza moderna e digna da capital de vocação universal que era a efervescente Lisboa manuelina.
A estrutura é constituída pela torre de habitação acastelada, de tradição medieval, e pela fortificação abaluartada, de concepção absolutamente moderna. A função militar está reservada ao baluarte, que avança sobre as águas em três pisos (andar subterrâneo, nave e terraço). O baluarte, ou plataforma de artilharia avançada, tem desenho poligonal e cobre ampla área de fogo. Está adaptado à primeira utilização de pirobalística em Portugal, com 16 bombardeiras (ou canhoeiras) direccionáveis e situadas pouco acima do nível médio das águas, possibilitando a prática do tiro de ricochete. A torre, de quatro pisos abobadados, é um eco assumido das tradicionais torres de menagem. As suas salas (sala do Governador, Sala dos Reis, Sala das Audiências, e capela no último piso, abaixo do terraço) são reservadas a funções civis e cultuais.
Porém, os elementos mais marcantes da construção serão sem dúvida os formais e decorativos. A evocação da função defensiva domina o conjunto, conjugada com motivos de inspiração fantástica e uma simbólica influência magrebina e orientalizante, logo identificada por Reinaldo dos Santos em 1922. O terraço do baluarte, constituindo uma segunda linha de fogo, é cercado por ameias guarnecidas de brasões com a cruz da ordem de Cristo, "parecendo a passagem à pedra dos escudos da amurada de um convés" (MOREIRA, Rafael, 1994). A ideia repete-se na poética de elementos como as bombardeiras rasantes, "a lembrar escotilhas", ou os grossos calabres marítimos que fazem parte da minuciosa ornamentação manuelina. Entre os restantes motivos, de nítido cariz tardo-gótico, destaca-se o famoso rinoceronte esculpido na base de uma guarita, certamente desenhado a partir daquele que desembarcou em Lisboa vindo da Índia em 1515, junto das obras da torre, e que tanto interesse suscitou na Europa.
Ao longo dos tempos foram efectuadas diversas intervenções no monumento, que finalizaram com restauros oitocentistas nas ameadas, no varandim do baluarte, no nicho da Virgem virado para o rio, e no claustrim onde assenta. Foi inscrita na Lista do Património Mundial da UNESCO em 1983, e eleita em 2007 como uma das 7 maravilhas do país.
Sílvia Leite/DIDA-IGESPAR, IP/2011

Imagens

Bibliografia

Título

A Torre de Belém, in O Livro de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

MOREIRA, Rafael

Título

A Obra Silvestre e a Esfera do Rei

Local

Coimbra

Data

1990

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

Portugal: Património da Humanidade

Local

Sodilivros

Data

1996

Autor(es)

RAMOS, Graça

Título

Em Volta da Torre de Belém: Pedrouços e Bom Sucesso

Local

Liv. Horizonte

Data

1998

Autor(es)

NÉU, João B. M.

Título

Torre de Belém: Cronologia de um Restauro

Local

RTP

Data

1997

Autor(es)

Rádio Televisão Portuguesa

Título

As Rochas dos Monumentos Portugueses. Tipologias e Patologias

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

AIRES-BARROS, Luís

Título

Torre de Belém, Intervenção de Conservação Exterior

Local

-

Data

2000

Autor(es)

CHAROLA, A. Elena

Título

Em Volta da Torre de Belém: evolução da zona ocidental de Lisboa: defesa marítima e sanitária do porto de Lisboa

Local

Liv. Horizonte

Data

1994

Autor(es)

NÉU, João B. M.

Título

Torre de Belém

Local

-

Data

-

Autor(es)

Instituto Português do Património Cultural

Título

A Torre e a Fortaleza de Belém

Local

Acad. Port. His

Data

1954

Autor(es)

RIBEIRO, Mário de Sampaio

Título

Torre de Belém: brasão do Porto de Lisboa

Local

AGP

Data

-

Autor(es)

Administração Geral do Porto de Lisboa

Título

A Torre de Belém: (Castelo de São Vicente a par de Belém)

Local

Adm. G. do Port

Data

1959

Autor(es)

NUNES, J. de Sousa

Título

Torre de Belém, Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa

Local

-

Data

1988

Autor(es)

BONIFÁCIO, Horácio

Título

O Enquadramento da Torre de Belém: a realização de um velho sonho de Lisboa

Local

-

Data

1956

Autor(es)

BARRETO, António Facco Vianna

Título

Breves apontamentos acerca da Torre de Belém

Local

Minerva Peninsu

Data

1932

Autor(es)

NUNES, J. de Sousa

Título

Jerónimos e Torre de Belém

Local

Portucalense

Data

-

Autor(es)

BARREIRA, João

Título

A Torre de Belém: 1514-1520

Local

Imp. da Univers

Data

1922

Autor(es)

SANTOS, Reinaldo dos

Título

Lisboa e a expansão marítima: séc. XV-XVI

Local

Min. Educação

Data

1990

Autor(es)

TAVARES, Adérito; CALDEIRA, Arlindo M.

Título

Francisco Arruda

Local

Esc. Téc. Elem.

Data

1966

Autor(es)

RICARDO, Daniel

Título

A Torre de Belém, Guia de Portugal Artístico

Local

-

Data

-

Autor(es)

BRITO, M. Costa Ramalho e Nogueira de

Título

A Arquitectura do Renascimento em Portugal

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

HAUPT, Albrecht

Título

A Torre de Belém

Local

SMM

Data

-

Autor(es)

Serviço dos Monumentos Militares

Título

Torre de Belém. Intervenção de Conservação do Exterior/Exterior Conservation Work

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

CHAROLA, A. Elena

Título

Manuelino. À descoberta da arte do tempo de D. Manuel I

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Torre de Belém

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

-

Título

Segredos de Belém. Guia dos Jerónimos, da Torre e do Bairro

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

MAGALHÃES, Ana M., ALÇADA, Isabel

Título

O arco Belém-São julião da Barra, contorno da enseada de Paço de Arcos (separata do 54º volume do Boletim do Arquivo Histórico Militar)

Local

Oeiras

Data

1986

Autor(es)

GUEDES, Lívio da Costa

Título

A arquitectura manuelina

Local

Vila Nova de Gaia

Data

2009

Autor(es)

DIAS, Pedro

Título

Torre de Belém

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

PEREIRA, Paulo

Título

Belém (Torre de), in Dicionário da História de Lisboa

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

SANTOS, Nuno Valdez dos

Título

Portugal, Património Mundial - Objectos singulares, objectos universais

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

PEREIRA, Paulo, SANTANDREU, Roberto, NASCIMENTO, José Carlos