Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Museu da Música Mecânica - detalhe

Designação

Designação

Museu da Música Mecânica

Outras Designações / Pesquisas

Museu da Música Mecânica (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Palmela / Pinhal Novo

Endereço / Local

Rua dos Alegrias, Quinta do Rei-Arraiados
Pinhal Novo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIM - Monumento de Interesse Municipal

Cronologia

Aviso n.º 2067/2021, DR, 2.ª série, n.º 21, de 1-02-2021 (ver Aviso)
Deliberação de 13-01-2021 da CM de Palmela a determinar a conclusão do procedimento de classificação como MIM
Em 16-11-2020 foi dado conhecimento do despacho à CM de Palmela
Despacho de concordância de 9-11-2020 do subdiretor-geral da DGPC
Proposta de 9-11-2020 do Departamento dos Bens Culturais da DGPC para que não seja atribuída uma classificação de âmbito nacional
Declaração de Retificação n.º 966/2019, DR, 2.ª série, n.º 240, de 13-12-2019 (retificou a futura categoria de classificação, de IIM para MIM, e retirou a menção à ZGP, uma vez que não está prevista na legislação em vigor) (ver Declaração)
Anúncio n.º 192/2019, DR, 2.ª série, n.º 223, de 20-04-2019 (ver Anúncio)
Deliberação de 16-10-2019 da CM de Palmela a determinar a abertura do procedimento de classificação como IIM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O Museu, inaugurado a 4 de outubro de 2016, foi construído de raiz e integralmente financiado pelo colecionador, é um projeto do arquiteto Miguel Marcelino, tem uma área de 1.020 m2, e consiste numa caixa totalmente fechada que pretende estabelecer um certo paralelismo com uma caixa de música. O alçado principal apresenta uma concavidade que traz à memória as campânulas dos fonógrafos e dos gramofones e assinala a entrada do edifício.
O resultado final é um volume que visto por fora parece elementar, mas cujo interior desmonta essa simplicidade: explorando longas perspetivas diagonais que se vão abrindo à medida que os espaços são percorridos, deixando vislumbrar relances das galerias seguintes - num jogo de sedução espacial que procura manter a curiosidade do visitante desde o início até ao fim da visita (Cf. Memória descritiva da autoria do Arq. Miguel Marcelino).
No interior do edifício a coleção divide-se por cinco galerias expositivas que convidam o visitante a uma viagem no tempo onde centenas de instrumentos mecânicos se dispõem em redor de um pátio central. Os dispositivos de música automática aqui expostos (caixas de música, autómatos, realejos, quadros musicais, pianolas, entre outros, desafiam o nosso entendimento convencional das práticas musicais, simulando, num mecanismo automático, a criação humana da música. O Museu integra, ainda, diferentes valências funcionais, área expositiva, sala documental (que reúne uma importante bibliografia temática, documentação de época e milhares de fonogramas), auditório com 70 lugares, sala multiusos, loja, cafetaria. Numa perspetiva integrada, promove exposições, espetáculos, workshops, conferências, reuniões de trabalho, festas de aniversário e outros eventos de cariz cultural, educativos e/ou de lazer, funcionando como referência e polo cultural em toda a região.
O Museu tem como missão o estudo, preservação, valorização, divulgação e fruição de uma coleção particular representativa da música mecânica, sobretudo entre os finais do séc. XIX até à década de 30 do séc. XX.
A coleção, reunida ao longo de três décadas, pelo colecionador Luis Cangueiro, convoca todo o universo, tecnológico, científico e musical de finais do século XVIII às primeiras décadas do século XX. É constituída por mais de 600 peças que se movimentam por sistemas exclusivamente mecânicos, e que datam desde o final do séc. XVIII até à 1ª metade do séc. XX, todas em estado de funcionamento.
A Coleção
A coleção está estruturada em dois grandes núcleos, os instrumentos de música mecânica, cujo som depende exclusivamente do sistema mecânico concebido para cada peça, e os fonógrafos e gramofones que reproduzem o som previamente gravado. Esta coleção propõe múltiplas pistas para o entendimento das práticas musicais de finais do século XVIII às primeiras décadas do século XX.
A coleção é ainda complementada por uma vasta bibliografia de referência, iconografia, cilindros e discos dos mais diversos formatos, postais ilustrados, posters, puzzles, tabuletas publicitárias, dezenas de caixas de agulhas, recortes de jornais, publicidade das empresas fabricantes destes instrumentos e um acervo fonográfico de cerca 1900 títulos de música portuguesa em discos de 78rpm, adquiridos na totalidade pelo colecionador e fundador do museu, Dr. Luís Cangueiro.
Paulo Martins/DGPC, 2020.

Imagens