Saltar para o conteúdo principal da página

Pedreira Histórica de Pidiogo - detalhe

Designação

Designação

Pedreira Histórica de Pidiogo

Outras Designações / Pesquisas

Pedreira de Valinho do Rei e Pedreira de Pidiogo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Batalha / Reguengo do Fetal

Endereço / Local

- -
Vale da Pedreira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIM - Sítio de Interesse Municipal

Cronologia

Anúncio n.º 28/2014, DR, 2.ª série, n.º 22, de 31-01-2014 (ver Anúncio)
Decisão final de 18-11-2013 da CM da Batalha
Aviso n.º 11073/2013, DR, 2.ª série, n.º 171, de 5-09-2013 (ver Aviso)
Edital de 3-07-2013 da CM da Batalha
Projeto de Decisão de 20-06-2013 da CM da Batalha

ZEP

Anúncio n.º 141/2017, DR, 2.ª série, n.º 157, de 16-08-2017 (ver Anúncio)
Deliberação de 3-01-2017 da CM da Batalha a aprovar a fixação da ZEP

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sítio
A pedreira histórica de Pidiogo localiza-se nas Serras de Aire e Candeeiros, na freguesia de Reguengo do Fetal, junto ao Caminho Municipal nº 1143 (ligação Torre - Perulheira). Esta pedreira, juntamente com a de Valinho de Rei, está situada a cerca de 5 quilómetros da Vila da Batalha, uma área inserida no Maciço Calcário Estremenho onde predomina o carrasco, o medronheiro e o eucaliptal. Com um acesso íngreme, a observação desta antiga pedreira evidencia, através dos desperdícios ainda visíveis, a importante exploração a que esteve sujeita.
De acordo com estudos efetuados em 1980 pelo Professor Aires-Barros, o calcário da Pedreira de Pidiogo evidencia uma excelente qualidade apresentando-se "vidrado", de cor rosada e com uma textura oolítica (de grão fino e estrutura compacta), com reduzidos índices de porosidade e permeabilidade.

História
Estas pedreiras correspondem a locais onde, segundo estudos científicos já efetuados, foi extraída a pedra que serviu não só para a construção do Mosteiro da Batalha como, também, para a sua recuperação nomeadamente após o terramoto de 1755. Os blocos eram retirados manualmente da área da pedreira para depois serem transportados em carros de bois até ao local onde se situava o estaleiro. Importa destacar que a edificação deste conjunto monástico passou por diferentes fases de construção/reconstrução, incluindo a primeira que, segundo alguns autores, durou cerca de 150 anos. Deste modo, as pedreiras de Reguengo do Fetal representam um importante testemunho da longa história deste importante monumento classificado como de valor mundial.
De notar que está ainda presente, na memória oral das pessoas que habitam junto à pedreira, a passagem dos trabalhadores que, outrora, transportavam a pedra até ao Mosteiro.

Maria Ramalho/DGPC/2016. Colaboração de Rui Borges Cunha/C. M. Batalha.

Imagens

Bibliografia

Título

O restauro do Mosteiro da Batalha: pedreiras históricas, estaleiro de obras e mestres canteiros

Local

Lisboa

Data

2001

Autor(es)

SOARES, Clara Moura