Saltar para o conteúdo principal da página

Real Filatório de Chacim - detalhe

Designação

Designação

Real Filatório de Chacim

Outras Designações / Pesquisas

Real Filatório de Chacim (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Fábrica

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Macedo de Cavaleiros / Chacim

Endereço / Local

- no centro da aldeia, junto da margem esquerda da ribeira de Chacim, em local pendente E/O
Chacim

Proteção

Situação Actual

Procedimento caducado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Procedimento caducado nos termos do artigo 78.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Diploma) , alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 16-06-1999

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

O Real Filatório de Chacim é criado em 1788, por decreto de D. Maria I. A proposta de fundação de um real filatório e de escolas de fiação para a província de Trás-os-Montes, insere-se num plano mais vasto de desenvolvimento da produção da seda em Portugal, na senda do impulso manufactureiro registado na última fase do período pombalino.
O Real Filatório de Chacim simboliza uma tentativa de fomento de um sector produtivo no âmbito das actividades transformadoras, preconizando também a introdução em Portugal de uma tecnologia de vanguarda no seio da indústria sericícola. A introdução do moinho de seda redondo em Chacim constitui para alguns autores uma transferência tecnológica piemontesa. Desde o século XIV que no Norte de Itália se aperfeiçoava o trabalho da seda com base num moinho redondo. Em Piemonte associou-se uma dobadoura mecânica ao moinho redondo, permitindo uma produção à escala industrial e afastando-a um pouco dos padrões manufactureiros até então praticados. No entanto, o filatório de Chacim não parece ter revelado a existência desta dobadoura mecânica, sendo este trabalho realizado manualmente pelas mulheres. Mas a introdução do moinho redondo de seda, é só por si, uma inovação tecnológica de extrema importância para Portugal, ainda que sem grande continuidade, permitindo obter um produto de elevada qualidade face ao produzido habitualmente. O fio fabricado por este sistema alcançava um superior grau de torção, uma maior uniformidade e um brilho mais significativo.
Os vestígios materiais existentes em Chacim são significativos do desenvolvimento da actividade de fiação, tanto em termos do edificado, caso das ruínas do edifício da fiação, da casa dos casulos, como dos testemunhos da laboração existentes in situ e dos instrumentos de laboração exumados durante os trabalhos arqueológicos. Existem também alguns vestígios construtivos da distribuição e condução da água, testemunhando a força motriz utilizada.
O que resta do edifício da fiação é um testemunho importante de uma instalação laboral em altura, constituindo um exemplo significativo no âmbito do património industrial.
06.08.07
Deolinda Folgado

Imagens