Saltar para o conteúdo principal da página

Casa e Quinta do Covêlo - detalhe

Designação

Designação

Casa e Quinta do Covêlo

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Peso da Régua / Poiares e Canelas

Endereço / Local

- -
Canelas do Douro

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (Homologado como IIP -...

Cronologia

Despacho de homologação de 3-02-2005 da Ministra da Cultura

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

De fundação muito antiga, da qual dispõe de vários testemunhos edificados (nomeadamente dos encontrados no Lugar da Fonte do Milho, atribuídos ao período romano), o território correspondente, na actualidade, à freguesia de Canelas , foi doado ao Bispo de Lamego por Sancho I (1154-1212), decorria o ano de 1202.
De entre as estruturas erguidas ao longo dos tempos nestas paisagens de inquestionável beleza e monumentalidade, sobressai a "Casa e Quinta do Covêlo", construída no século XVII naquele que é o Largo principal da localidade, por iniciativa de D. Brites Teixeira, da 'Casa do Covêlo' (designação pela qual passou, então, a ser conhecida), ainda que pontualmente reformulada já as centúrias de oitocentos e de novecentos, depois de um século - XVIII - em que os seus terrenos se afamaram pela qualidade das castas de uvas ('Vinho da Feitoria') destinadas à produção do vinho do Porto.
Constituído, por conseguinte, pela extensa quinta, é na área residencial que se vislumbram os maiores requisitos da proposta de classificação do conjunto.
De planta em 'L', distribuída por dois registos, a casa ostenta fachada com diversas portas no piso térreo e oito janelas de sacada moldurada rasgadas no andar nobre (ao qual se acede por escadaria desenvolvida a partir do hall), uma das quais sobrepujada por frontão contracurvado ostentando o brasão dos Pereiras e dos Lacerdas, correspondendo, na realidade, à localização da capela (de evocação a N.ª Sra. da Boa Morte) familiar, assim enquadrada na própria construção residencial, albergando coro de modestas dimensões com guarda de madeira talhada em forma de gelosia, altar-mor ricamente decorado em talha dourada, cobertura abobadada com pinturas referentes ao Pentecostes e lambrim em fresco.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Brasões e casas brasonadas do Douro

Local

Lamego

Data

1974

Autor(es)

AZEVEDO, Correia de

Título

História da Vila e Concelho de Pêso da Régua

Local

Peso da Régua

Data

1936

Autor(es)

SOARES, José Afonso O.

Título

Guia de Portugal, Trás-os-Montes e Alto Douro, I - Vila Real, Chaves e Barroso

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

-

Título

O morgado de Vilar de Perdizes

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

BETTENCOURT, J. Moniz de