Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Quinta do Côtto - detalhe

Designação

Designação

Casa da Quinta do Côtto

Outras Designações / Pesquisas

Casa da Quinta do Côtto(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Vila Real / Mesão Frio / Cidadelhe

Endereço / Local

Quinta do CÔtto, entre os lugares de Coterne e Pombal
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 443/2006, DR, II Série, n.º 49, de 9-03-2006 (ver Portaria)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

Abrangido por conjunto inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, que, ao abrigo do n.º 7 do art.º 15.º da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, se encontra classificado como MN

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Elevada sobre o Douro, a Quinta do Côtto encontra-se implantada na região mais antiga de produção de vinho do Porto e este tem vindo a ser considerado um importante Vinho de Quinta. A casa, em torno da qual se desenvolve a propriedade agrícola, é uma construção do século XVIII, edificada sobre outro imóvel de época anterior, certamente do século XV, do qual é ainda possível encontrar alguns vestígios.
A presença no local da família Montez, proprietária da Quinta, deverá remontar a épocas muito recuadas havendo mesmo quem defenda ser anterior à formação da nacionalidade. No entanto, as notícias sobre vinhas nos territórios que integram a quinta remontam, pelo menos, ao século XIV, e os vestígios da casa primitiva são de época medieval, pelo que a instalação dos Montez na Quinta do Côtto deverá corresponder, sensivelmente, a este período.
Em qualquer dos casos, o imóvel que hoje se observa é claramente setecentista. De planta quadrada com um pátio central, desenvolve-se em dois pisos com fachada principal orientada a Sul. Esta, é seccionada por pilastras que a dividem em três panos, com os laterais abertos por uma porta e uma janela no piso térreo, e um conjunto de quatro janelas de verga curva no andar nobre. O central, mais imponente, destaca-se pela empena triangular com fogaréus no prolongamento das pilastras, e pela abertura de vãos simétricos, duas janelas a flanquear a porta de entrada e, no piso superior, outras duas janelas de frontão contracurvado a enquadrar a janela de sacada no eixo da qual se exibe, mais acima, e já na empena, o brasão com as armas dos Araújo, Cabral e Montez. Os restantes alçados caracterizam-se pela depuração das linhas, e pela abertura regular e simétrica dos vãos.
A capela, situada na fachada lateral direita, foi transferida para este local em 1940, época em que foi também remodelada a ala Norte da casa (Processo de Classificação, IPPAR/DRP). A fachada, com pilastras nos cunhais prolongadas por pináculos, é rematada por frontão triangular de óculo no tímpano. Ao centro, o portal de verga curva, que se relaciona com o entablamento do frontão através da moldura.
(RC)