Saltar para o conteúdo principal da página

Casa da Praça - detalhe

Designação

Designação

Casa da Praça

Outras Designações / Pesquisas

Casa Malheiro Reimão / Casa da Capela das Malheiras (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Viana do Castelo / Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Situada na antiga Rua da Praça das Couves, a Casa Malheiro Reimão é considerada uma das mais significativas construções barrocas da cidade, e da arquitectura civil portuguesa do século XVIII. As suas características permitem inscrevê-la nos modelos habituais da época, com fachada longa, e aberta por uma série bem ritmada de vãos. É, no entanto, a sua capela, que se desloca para fora do eixo do frontispício, e se insere na praça, definindo ainda o início de uma outra rua, que mais se destaca, conferindo a todo o conjunto uma importância urbanística ímpar, onde os valores cenográficos do barroco se encontram bem presentes. Do lado oposto da rua, o fontanário evocativo da história de Viana, complementa e equilibra o efeito da capela, contribuindo para tornar esta artéria um importante testemunho do urbanismo barroco (CALDAS; GOMES, 1990, p. 82).
De acordo com os dados disponíveis, o edifício habitacional começou a ser edificado entre 1753 e 1757, anos em que se procedeu à aquisição dos terrenos. Todavia, Castro Caldas defendeu, recentemente, que a articulação dos quatro corpos da casa - dois habitacionais paralelos entre si, a cozinha e a capela - denuncia a existência de um corpo anterior, modificado pela intervenção de cariz barroco (CALDAS, 2005, p. 179). A capela é ligeiramente mais tardia - a obra foi iniciada em 1758. A longa fachada principal desenvolve-se em comprimento, e divide-se em dois andares, cuja diferenciação é acentuada por um friso que se une aos frontões das janelas inferiores e aos aventais das do andar nobre. As janelas do piso térreo são intercaladas por portas, cujo frontão rompe o friso, ultrapassando a linha divisória dos andares. A distância entre os vãos diminui à medida que se aproxima o eixo central, com a pedra de armas, o qual ganha assim maior destaque, embora tal solução, própria do barroco, implique menor clareza em relação ao espaço interno (IDEM).
No topo, a capela é definida por pilastras de capitéis, muito decorados. A sua fachada, oblíqua em relação à casa, termina num frontão curvo, flanqueado por fogaréus. Ao centro, abre-se o portal, com profusamente decorado, a que se sobrepõe o amplo janelão com moldura de concheados, e ainda uma cartela de ornamentação semelhante. De acordo com João Vieira Caldas e Paulo Varela Gomes (1990, p. 82), os elementos decorativos integram-se no desenho das estruturas, criando uma unidade perfeitamente coerente. Por outro lado, o carácter menos delicado destes ornatos (mais afastados do rococó alemão ou francês), a par do decorativismo do conjunto, torna esta capela um suporte perfeito para receber a luz de Viana do Castelo, para a qual terá sido concebida "no frágil mas exacto ponto entre a violência e a distinção" (CALDAS; GOMES, 1990, p. 82).
Não é conhecido o autor deste conjunto, muito embora a tradição aponte o nome de André Soares como o mais provável e, até mesmo, como o arquitecto nortenho em melhores condições de conceber uma obra desta natureza, em termos arquitectónicos e urbanísticos. Contudo, Robert Smith excluiu a casa dos Malheiro Reimão da listagem de obras atribuídas a Soares e os autores que temos vindo a seguir apontam, como alternativa, o nome de José Álvares de Araújo, discípulo do artista bracarense com quem trabalhou noutras obras, em Viana, contemporâneas da casa da Praça, como é o caso do retábulo do Rosário de São Domingos (SMITH, 1973). A tratar-se de uma obra de André Soares, corresponde à última fase da sua carreira (a partir da década de 1760), em que predomina a depuração e uma maior linearidade (SMITH, 1973, p. 507).
Por sua vez, a fachada do edifício, sóbria e depurada, inscreve-se na tradição arquitectónica seiscentista de Viana, podendo mesmo ser cotejada com a casa da Carreira.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Viana do Castelo

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

CALDAS, João Vieira, GOMES, Paulo Varela

Título

Três artistas de Braga (1735-1775), Bracara Augusta (Actas do Congresso a Arte em Portugal no século XVIII)

Local

Braga

Data

1973

Autor(es)

SMITH, Robert C.

Título

André Soares, arquitecto do Minho

Local

Lisboa

Data

1973

Autor(es)

SMITH, Robert C.

Título

«Casas nobres» de Viana, Monumentos, n.º 22, pp. 172-181

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

CALDAS, João Vieira