Saltar para o conteúdo principal da página

Casa das Pereiras, incluindo o jardim e o logradouro - detalhe

Designação

Designação

Casa das Pereiras, incluindo o jardim e o logradouro

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viana do Castelo / Ponte de Lima / Arca e Ponte de Lima

Endereço / Local

Largo Capitão José de Magalhães
Ponte de Lima

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 396/2014, DR, 2.ª série, n.º 103, de 29-05-2014 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 3-02-2005 da Ministra da Cultura
Parecer de 30-09-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de 18-03-2004 da DR do Porto para a classificação como MIP
Despacho de abertura de 6-11-1998 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 4-11-1998 da DR do Porto
Proposta de classificação de 29-10-1998

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A vila de Ponte de Lima conheceu um grande desenvolvimento urbano ao longo da Idade Média. Edificadas as muralhas de defesa da vila entre 1359 e 1370, a povoação cresceu virada para o rio, em torno da praça onde foi edificada a matriz, delineando os seus arruamentos dentro do perímetro muralhado e tendo como pontos de referência as diversas portas e torres da vila. Foi precisamente junto à torre das Pereiras que se desenvolveu a rua com o mesmo nome nos finais da Idade Média, na zona mais alta e ampla da vila, o que permitiu que desde o século XV fossem aí construídas casas mais amplas que as edificadas no centro da vila. Na centúria seguinte, as casas da rua das Pereiras eram vendidas ao Dr. António de Araújo Lima, magistrado e cavaleiro da Ordem de Cristo. Em meados do século XVII a propriedade era adquirida por Francisco Pita Malheiro, governador da fortaleza galega de Goyane, que foi possivelmente o edificador da Casa das Pereiras.
De planta rectangular dividida em dois pisos, a Casa das Pereiras caracteriza-se pela sobriedade da sua estrutura, inspirada na tratadística italiana da segunda metade do século XVI e no depuramento do maneirismo chão. A casa apresenta diversos elementos típicos da arquitectura solarenga, como as janelas de sacada do piso superior distribuída a espaços regulares, marcando o ritmo da fachada, e uma marcada divisão social do espaço, diferenciando o andar nobre do piso inferior, utilizado para os serviços da casa. Na estrutura exterior destaca-se ainda a fachada lateral direita, onde foi edificada uma varanda assente sobre colunata, criando um terraço ao qual se acede por escadaria.
O espaço envolvente da casa é constituído pelo jardim, que se desenvolve em diferentes cotas e possui recantos com ruínas de gosto romântico, com certeza edificados em meados do século XIX. Segundo a tradição, terá sido neste jardim que as tropas de Napoleão acamparam em 1809 durante a Guerra Peninsular.
Interiormente a casa possui um átrio central, onde foi edificada a escadaria de acesso ao andar nobre, que possui uma curiosa inscrição, "com verdade sem tomar o alheio, vivei sempre no santo temor de Deus". O andar nobre é dividido em diversas salas, de estrutura muito sóbria, semelhante ao exterior da casa. A casa possui ainda um pequeno oratório rectangular com retábulo de madeira e tecto de masseira em caixotões.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2005

Imagens

Bibliografia

Título

Solares Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de

Título

Alto Minho

Local

Lisboa

Data

1987

Autor(es)

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de