Saltar para o conteúdo principal da página

Solar das Arcas - detalhe

Designação

Designação

Solar das Arcas

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Solar

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Bragança / Macedo de Cavaleiros / Arcas

Endereço / Local

- -
Arcas

Proteção

Situação Actual

Em Vias de Classificação

Categoria de Protecção

Em Vias de Classificação (com Despacho de Abertura)

Cronologia

Anúncio n.º 285/2013, DR, 2.ª série, n.º 167, de 30-08-2013 (ver Anúncio)
Despacho de 16-07-2013 do Secretário de Estado da Cultura a determinar a abertura de novo procedimento de classificação
Parecer favorável de 2-07-2013 da diretora-geral da DGPC
Proposta de 25-06-2013 da DRC do Norte para a abertura de novo procedimento de classificação
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Devolvido pelo gabinete da Ministra da Cultura para apresentar proposta de ZEP
Parecer favorável de 3-02-2005 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 29-06-2011 da DRC do Norte para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 31-05-1994 do presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 5-05-1994 da DR do Porto
Requerimento de classificação de 6-06-1990 do proprietário

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Edificado, muito possivelmente, no século XVIII, o Solar das Arcas é um exemplo característico das residências senhoriais e citadinas barrocas, que se desenvolvem em comprimento e integram, numa das extremidades da fachada, a capela particular.
O alçado principal apresenta dois andares, cujas diferenças de tratamento reflectem as vivências do interior: no piso térreo encontravam-se as lojas, arrumos, e serviços, enquanto o andar nobre se destinava à habitação.
O ritmo simétrico dos vãos é definido a partir do eixo central, com o portal de verga recta, encimado por entablamento e frontão de volutas interrompido pelo brasão de armas esquartelado dos proprietários do imóvel que, desta forma, afirmavam o seu prestígio. As janelas do piso térreo são de verga recta e moldura simples, encontrando-se desalinhadas com as janelas de guilhotina do andar nobre. Estas, são rematadas por frontão contracurvado interrompido e apresentam avental contracurvado que termina em borlas.
Na extremidade da fachada, a capela, delimitada por pilastras com urnas, é rematada por frontão curvo com cruz, que se eleva acima da linha do telhado. O portal, com frontão triangular, permite o acesso ao interior, de nave única, onde se destaca o retábulo-mor, rocaille, de talha dourada e pintada em tons de azul e de encarnado.
(RC)

Imagens