Saltar para o conteúdo principal da página

Conjunto formado pela casa, capela, jardins e portais da Quinta da Bouça-Cova, ou dos Capuchinhos - detalhe

Designação

Designação

Conjunto formado pela casa, capela, jardins e portais da Quinta da Bouça-Cova, ou dos Capuchinhos

Outras Designações / Pesquisas

Quinta dos Capuchinhos / Quinta da Bouça - Cova / Quinta dos Capuchinhos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Porto / Gondomar / Gondomar (São Cosme), Valbom e Jovim

Endereço / Local

Avenida General Humberto Delgado
Gondomar

Número de Polícia: 201

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-AM/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Proposta de 3-10-1985 do IPPC para alteração da designação para "Casa, Capela Jardins e Portais da Quinta da Bouça-Cova ou dos Capuchinhos"
Proposta de 16-09-1985 da CM de Gondomar para alteração da designação para "Conjunto formado pelo Convento dos Capuchos e jardim que o integra"
Despacho de homologação de 14-04-1983 do Secretário de Estado da Cultura
Parecer de 5-04-1983 da Assessoria Técnica do IPPC a propor a classificação como IIP do "Conjunto formado pela casa, capela e os 2 jardins da quinta da Bouça-Cova"
Proposta de classificação de 12-11-1980 da CM de Gondomar para a Quinta da Bouça-Cova
Processo suscitado em 17-10-1979 pela Delegação Regional do Norte da SEC

ZEP

Portaria n.º 115/2015, DR, 2.ª série, n.º 35, de 19-02-2015 (com restrições) (ver Portaria)
Anúncio n.º 230/2014, DR, 2.ª série, n.º 183, de 23-09-2014 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 3-07-2014 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 19-12-2013 da DRC do Norte
Devolvido em 3-04-2013 à DRC do Norte para reanálise da proposta
Proposta de 31-01-2011 da DRC do Norte
Parecer de 5-04-1983 da Assessoria Técnica do IPPC a propor que se estude uma ZEP

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A história dos frades menores Capuchinhos em Gondomar teve início apenas em 1958, data em que a Congregação adquiriu a Quinta de Bouça-Cova para aí instalar o seu seminário, abandonando o que possuíam em Vila Nova de Poiares.
Anteriormente, a Quinta foi pertença da família Crasto Pereira e, apesar das incertezas, acredita-se que foi José de Crasto Pereira o proprietário que deu início à construção da casa, onde faleceu no ano de 1746 (OLIVEIRA, 1983, p. 233). Contudo, as primeiras referências conhecidas a Bouça-Cova remontam a 1327 e às Inquirições de D. Dinis, altura em que a propriedade "foi considerada honra pelo Corregedor Aparício Gonçalves, determinando que continuasse honrada enquanto y houver filho d'algo" (OLIVEIRA, 1983, p. 232).
Nesta medida, a casa remonta à primeira metade do século XVIII, apresentando planta em L, e uma série de características próprias da arquitectura civil da época, entre as quais destacamos a escadaria, de dois lanços, e a simetria na abertura dos vãos com molduras recortadas, mais cuidadas ao nível do andar nobre, reservado para habitação, enquanto que o rés-do-chão se destinava a armazéns e ao apoio de actividades agrícolas. O seu interior, objecto de várias intervenções e adaptações, encontra-se bastante modificado, embora ainda subsistam alguns tectos em estuque e lambris de azulejo. Junto a esta edificação, surge uma outra, mais recente, a que se veio reunir a nova igreja, edificada entre 1972 e 1974 (e remodelada em 2001). No muro que define o pátio, o portão, de verga recta, é coroado por um brasão de armas. Na sua continuação encontra-se a primitiva capela, cuja fachada denota uma contenção e uma austeridade decorativas, apenas quebradas pelo óculo e pelo nicho com a imagem de Santo Onofre.
Esta, actualmente, está dedicada a Nossa Senhora Mãe dos Homens, e foi reconstruída em data próxima de 1726, de acordo com um documento de dote para a sua fábrica, e dedicada a Santa Quitéria. A devoção de José de Crasto e sua mulher a esta Santa parece ter raízes mais profundas, e a mudança de invocação deste templo privativo deverá ter ocorrido em data bastante posterior à sua morte (OLIVEIRA, 1983, p. 236).
Uma última referência para o espaço envolvente, com dois jardins, um dos quais setecentista, mas de inspiração inglesa. No pátio de entrada, a fonte de linguagem barroca impõe-se pela sua dimensão arquitectónica.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

O Concelho de Gondomar (Apontamentos Monográficos) (Vols. I, II, III, IV)

Local

Porto

Data

1983

Autor(es)

OLIVEIRA, Camilo de