Saltar para o conteúdo principal da página

Solar dos Viscondes do Banho (ou Casa do Terreiro) e Casa da Família Aguiar (Conjunto Arquitectónico) - detalhe

Designação

Designação

Solar dos Viscondes do Banho (ou Casa do Terreiro) e Casa da Família Aguiar (Conjunto Arquitectónico)

Outras Designações / Pesquisas

(ou Casa do Terreiro) e Casa da Família Aguiar (conjunto arquitectónico) / Solar do Visconde do Banho / Casa do Terreiro(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Sátão / Rio de Moinhos

Endereço / Local

Largo do Terreiro
Lugar de Casal de Cima

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 15-05-2003

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Implantada num local estratégico e fulcral do lugar de Casal de Cima, a vasta Quinta dos Viscondes do Banho incluía os dois edifícios referidos na designação deste conjunto (Solar dos Viscondes do Banho e Solar da Quinta dos Casais), situados em frente um ao outro, e que a estrada veio separar, passando o denominado Largo do Terreiro a ser do domínio público.
Qualquer das duas casas foi objecto de várias campanhas de obras que, no entanto, procuraram respeitar as arquitecturas pré-existentes, apenas intervindo ao nível do conforto, adaptando os imóveis às necessidades e exigências da contemporaneidade. No caso do Solar da Quinta dos Casais os trabalhos incidiram na fachada principal, na ampliação da zona posterior e na remodelação do interior. Este imóvel, apesar de secundário, é mais imponente que a zona antiga da casa principal, desenvolvendo-se em comprimento com fachada principal marcada pelo eixo formado pelo portal e pela janela de sacada que se lhe sobrepõe, sobre a qual se exibe o brasão dos Viscondes do Banho, elevando a linha da cornija que desenha uma curva.
No que diz respeito à casa principal, construída entre os séculos XVII e XVIII, as suas dimensões são reduzidas. A fachada principal é seccionada por pilastras que separam o corpo da capela, apenas diferenciado pelo frontão contracurvado que se ergue sobre a linha dos telhados. É aberto pelo portal de verga recta, com dupla cornija saliente, sobrepujado por óculo quadrilobado e cruz relevada. De acordo com a documentação conhecida, a capela-mor foi remodelada em 1741, na sequência da qual foi objecto de uma campanha decorativa responsável pelo retábulo de talha (Isabel POLICARPO, Processo de Classificação, IPPAR/DRC, 1998). No seu interior merecem especial referência os tectos em caixotões policromados, o coro-alto e o púlpito.
No alçado da habitação, de dois pisos, o primeiro apresenta janelas e portas de verga recta, enquanto o andar nobre tem uma janela de sacada com cornija saliente e duas portas de remate idêntico, entre as quais se exibe o brasão da família. Acede-se a este nível pela escadaria de duplo lance.
No interior, ganham especial interesse os tectos do andar nobre, em caixotões de madeira polícroma ou em estuque trabalhado. À direita, e com três pisos, situa-se uma construção de época mais recente, certamente dos inícios ou primeira metade do século XX, que se inscreve nos modelos da denominada "casa portuguesa", com uma varanda alpendrada no canto superior. No interior, a ligação entre os espaços é feita através de uma ampla escadaria.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Terras do Concelho de Sátão

Local

Sátão

Data

1991

Autor(es)

SOUSA, Albano Martins de