Saltar para o conteúdo principal da página

Casa do Teatro - detalhe

Designação

Designação

Casa do Teatro

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Teatro

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Castelo Branco / Penamacor / Pedrógão de São Pedro e Bemposta

Endereço / Local

Largo do Teatro
Pedrógão de São Pedro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 108/2014, DR, 2.ª série, n.º 30, de 12-02-2014 (ver Portaria)
Despacho de homologação de 23-03-2000 da Secretária de Estado da Cultura
Parecer de 22-11-1999 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 7-09-1998 da DRCoimbra
Despacho de abertura de 2-05-1997 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 21-04-1997 da DRCoimbra
Processo iniciado em 1995

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Casa do Teatro inscreve-se num núcleo urbano de origem seiscentista, que conserva o traçado irregular das ruas que o compõem e um conjunto edificado que, apesar das construções dissonantes, mantém alguma coerência (cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRCB). Nas imediações observam-se alguns dos imóveis pertencentes à família proprietária do Teatro, os Marrocos, que se acredita ser originária de Castela. O solar, no largo 25 de Abril, remonta ao século XVIII, sendo que a Casa da Bela Vista, na rua com o mesmo nome, deverá ser anterior, pois corresponde, muito possivelmente, à primeira residência dos Marrocos.
Quanto à Casa do Teatro, desenvolve-se em planta rectangular, apresentando fachada principal de três registos, marcada pela abertura de vãos muito diferenciados, o que configura um imóvel de grande depuração, apesar de haver a registar as cantarias, as mísulas e uma janela de sacada. O interior encontra-se muito descaracterizado, tendo funcionado como palheiro desde a morte do último membro da família Marrocos (cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRCB).
Apesar da descaracterização apontada, o imóvel mantém-se como importante referência para a localidade de Pedrógão, conservando a memória dos muitos espectáculos aí realizados, de grande impacto para a população.
(RC)

Imagens