Saltar para o conteúdo principal da página

Casa das Fidalgas - detalhe

Designação

Designação

Casa das Fidalgas

Outras Designações / Pesquisas

Casa das Fidalgas (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt) / Quinta das Fidalgas / Quinta do Duque de Viseu (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Casa

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Viseu / Nelas / Santar e Moreira

Endereço / Local

Largo da Torre, junto à E.N. 231-2
Santar

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Declaração de Rectificação n.º 15-I/2002, DR, I Série-B, n.º 75, de 30-03-2002 (retificou a o texto) (ver Declaração)
Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A casa das Fidalgas, actualmente, residência de D. Miguel, Duque de Viseu, é uma edificação que remonta, parcialmente, à época medieval, encontrando-se, hoje, bastante alterada pelas sucessivas reformas de que foi alvo, principalmente nos século XVII e XVIII.
Implantada num largo, onde se destaca a denominada Fonte da Torre (cujo brasão denuncia o seu impulsionador, D. Rui Lopes de Sousa Alvim Lemos, que a mandou executar em 1789), a casa das Fidalgas conserva, ainda, os jardins e terrenos agrícolas que se desenvolvem na zona posterior, bem como uma série de edifícios ligados as actividades rurais (CARVALHO, 2001, p. 15).
O topónimo Torre, presente quer na designação da fonte, quer no largo em que o imóvel se inscreve, deixa adivinhar a existência de uma antiga torre, medieval, a parir da qual a Casa das Fidalgas teria sido edificada. É possível que este volume corresponda à zona mais elevada, e central, do edifício actual, embora alguns autores refiram a demolição da torre primitiva por ordem de D. Rui Lopes de Sousa Alvim Lemos (IDEM, p. 17). Esta intervenção deverá integrar-se numa outra mais vasta, ocorrida no século XVIII, e durante a qual todo o edifício foi remodelado e ampliado, segundo a configuração que hoje conhecemos. Na verdade, se exceptuarmos alguns dados relativos aos proprietários e às ligações matrimoniais que estes estabeleceram com a nobreza da região (B. S., 172, pp. 257-259), são muito poucas as informações conhecidas sobre a casa das Fidalgas.
Formada por quatro corpos, de grande depuração, a casa apresenta fachada principal orientada a Noroeste, dividida em três panos, de dois andares cada um. Os vãos abrem-se em molduras simples, destacando-se o último pano com um alpendre suportado por coluna. Na fachada posterior, ganha especial importância a varanda alpendrada, suportada por colunata toscana, a que se acede por escadaria paralela ao alçado, de lanço único.
No interior, a capela apresenta retábulo de talha policromada e abóbada de caixotões, destacando-se, ainda, a biblioteca e algumas salas com tectos de masseira e de estuque.
(Rosário Carvalho)

Bibliografia

Título

Solares rurais da Beira, Beira Alta, vol. 31, pp. 257-259

Local

Viseu

Data

1972

Autor(es)

-

Título

Santar: Roteiro Turístico

Local

Nelas

Data

2001

Autor(es)

CARVALHO, A. Polónio de