Saltar para o conteúdo principal da página

Caleiras de Escusa - detalhe

Designação

Designação

Caleiras de Escusa

Outras Designações / Pesquisas

Fornos de cal e caleiras de Escusa / Fornos de Cal da Escusa (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Forno

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Portalegre / Marvão / São Salvador da Aramenha

Endereço / Local

- -
São Salvador da Aramenha

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 29/2012, DR, 1.ª série, n.º 225, de 21-11-2012 (sem restrições) (ver Decreto)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de homologação de 9-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Edital de 26-08-2008 da CM de Marvão
Parecer de 23-04-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor a classificação como MN
Edital de 3-08-2005 da CM de Marvão
Despacho de abertura de 8-11-1995 do presidente do IPPAR
Informação favorável de 2-11-1995 da DR de Évora
Proposta de classificação de 7-06-1995 do Parque Nacional da Serra de São Mamede
Deliberação municipal de 23-05-1995 a manifestar o interesse na classificação

ZEP

Portaria n.º 284/2014, DR, 2.ª série, n.º 82, de 29-04-2014 (sem restrições) (ver Portaria)
Despacho de homologação de 9-12-2010 do Secretário de Estado da Cultura
Edital de 26-08-2008 da CM de Marvão
Parecer favorável de 23-04-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Proposta de 23-10-2007 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Abundante em vestígios arqueológicos, de uma forma geral, e megalíticos, em especial, o território correspondente na actualidade ao concelho de Marvão ostenta algumas das referências mais importantes da romanidade de todo o Alto Alentejo ((COELHO, P. M. L., 1988, pp. 49-72). São disso bom exemplo as ruínas da uilla rustica da Herdade dos Pombais", a par da cidade de Ammaia, a mesma que perfazia umas das civitates existentes na região alentejana, englobando S. Salvador de Aramenha e, precisamente, Marvão (ALARCÃO, J. M. N. L. de, 1990, p. 364), integrando, por consequência, uma das traves mestras da afirmação do Império romano, que contemplava a implementação de uma política administrativa assente em dois vectores vitais para a sua perduração no tempo: na definição de unidades político-administrativas e no traçado de vias que assegurassem uma ligação permanente e célere entre os principais centros.
Perante este quadro, a descoberta, nas proximidades, justamente, de São Salvador da Aramenha (e não muito longe do rio Sever), de numerosos (19) fornos de cal (nove dos quais claramente agrupados) rasgados na Serra de S. Mamede não seria completamente inusitada, pois, embora nada pareça indicar uma relação absoluta e linear entre as duas realidades já mencionadas (vide supra) e a extracção e transformação dos calcários nesta zona, a grande proximidade que o sítio exibe com Ammaia poderá indicar e, até, justificar as hipóteses entretanto formuladas quanto ao início da produção de cal, assim remontada ao período romano.
Uma suposição que será reforçada pela identificação, nas imediações dos fornos, de materiais de construção datáveis do mesmo período, como já referiam, ademais, documentos setecentistas, dois séculos depois dos primeiros relatos consistentes sobre a transformação da cal no termo de Escusa.
Até porque as obras de construção em locais com a monumentalidade que envolveria originalmente Ammaia "[...] reclamavam diversas indústrias básicas: de exploração de pedreiras, de fabrico de cal e cerâmicas de construção [...]." (ALARCÃO, J. M. N. L. de, Idem, p. 375), acontecendo que, nalguns casos, "[...] fornos de telha e tijolo ou de cal devem ter sido montados por particulares sem qualquer intuito comercial, mas apenas para auto-abastecimento [...]." (Id., Idem, p. 427), não sendo [...] inviável que os for nos tenham sido uma indústria subsidiária de certas villae [...]."(Id., Idem, p. 430)
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

O Reordenamento Territorial, Nova História de Portugal: Portugal das origens à romanização

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

A produção e a circulação dos produtos, Nova História de Portugal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

ALARCÃO, Jorge Manuel N. L.

Título

Terras de Odiana. Medobriga, Ammaia, Aramenha, Marvão, 2.ª ed.

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

COELHO, Possidónio Mateus Laranjo

Título

As Caleiras da Escusa, Ibn Maruán

Local

-

Data

1992

Autor(es)

MENA, Emília