Saltar para o conteúdo principal da página

Capela e Fonte de Santa Comba - detalhe

Designação

Designação

Capela e Fonte de Santa Comba

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Santa Comba (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Coimbra / Coimbra / Santo António dos Olivais

Endereço / Local

Quinta de Santa Comba
--

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Anúncio n.º 13658/2012, DR, 2.ª série, n.º 214, de 6-11-2012 (ver Anúncio)
Despacho de arquivamento de 24-10-2012 do diretor-geral da DGPC
Parecer de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento, por não ter valor nacional, e o envio de cópia do processo à CM de Coimbra para a ponderação da classificação como de IM
Proposta de 8-10-2012 da DRC do Centro para a classificação da Capela de Santa Comba como MIP
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de abertura de 8-09-1998 do vice-presidente do IPP>AR
Proposta de abertura de 27-07-1998 da DR de Coimbra
Proposta de classificação de 14-07-1998, de particular

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Reza a tradição que Santa Comba foi martirizada no local onde se ergue a capela sob a sua invocação, e que o seu corpo, aqui encontrado, foi levado primeiro para a igreja de Santa Justa, e em 1207 para o Mosteiro de Santa Cruz, onde permaneceu em lápide com a inscrição "HIC REQVIESCIT CORPVS S(NA)C(T)E COLVMBE", cuja leitura suscitou algumas divergências entre os estudiosos (GONÇALVES, CORREIA, 1947). Indiscutível é, no entanto, o culto e a devoção que Santa Comba tem suscitado ao longo dos tempos.
Da capela há notícias desde 1458, mas o edifício que hoje observamos remonta aos anos iniciais do século XVII ou, mais concretamente e de acordo com a possível leitura dos algarismos inscritos na fonte, 1612.
A fachada, de linhas simples, apresenta portal central de volta perfeita com a inscrição VIRGINIS ET MARTI numa das aduelas, e a ladeá-lo duas meias colunas adossadas que testemunham a antiga existência de um alpendre sustentado por outras quatro colunas de ordem dórica (GONÇALVES, CORREIA, 1947) entretanto guardadas na capela-mor (JESUS, Francisco, DGEMN, 1999). Do lado direito ergue-se um campanário de reduzidas dimensões, com duas sineiras, que deverá remontar a uma campanha do século XVIII.
No interior desenvolvem-se a nave e capela-mor, originalmente forradas com azulejos de figura avulsa de que restam alguns exemplares e abóbada pintada a fresco. Junto ao cruzeiro rasgam-se dois altares com arcos de decoração floral e vegetal. O acesso à cripta é feito através da sacristia, sendo que esta apresenta igualmente azulejos avulsos num espaço abobadado onde se destaca um pequeno nicho.
A fonte, situada em local pouco afastado, apresenta frontal pintado a fresco de que restam alguns vestígios, sendo rematada superiormente por nicho, onde se inscreve um baixo relevo de Santa Comba crucificada. A água da fonte jorra para uma pia circular através de gárgula humana.
(Rosário Carvalho)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário Artístico de Portugal - Aveiro, Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Portalegre, Porto e Santarém

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos

Título

Património Edificado com Interesse Cultural - Concelho de Coimbra

Local

Coimbra

Data

2009

Autor(es)

Câmara Municipal de Coimbra - Departamento de Cultura