Saltar para o conteúdo principal da página

Capela de Nossa Senhora da Paz - detalhe

Designação

Designação

Capela de Nossa Senhora da Paz

Outras Designações / Pesquisas

Capela de Constantina / Capela de Nossa Senhora da Paz / Capela de Constantina(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Capela

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Ansião / Ansião

Endereço / Local

- -
Constantina

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 226/2013, DR, 2.ª série, n.º 72, de 12-04-2013 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 16-01-2013 da diretora-geral da DGPC
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13695/2012, DR, 2.ª série, n.º 220, de 14-11-2012 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de concordância de 23-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 20-07-2011 da DRC do Centro para a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital de 29-05-1996 da CM de Ansião
Despacho de abertura de 3-04-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 25-03-1996 da DR de Coimbra para a abertura da instrução do processo de classificação

ZEP

Portaria n.º 226/2013, DR, 2.ª série, n.º 72, de 12-04-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 16-01-2013 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 13695/2012, DR, 2.ª série, n.º 220, de 14-11-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 23-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 23-11-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 20-07-2011 da DRC do Centro

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Capela de Nossa Senhora da Paz foi edificada em 1623, sendo referida a sua existência por Manuel Severim de Faria em 1625, que descreve esta "(...) igreja fabricada de dous anos para qua no termo da villa de Ancião no Lugar da Constantina." (MALVA, Filomena, 1996, p. 54). Segundo a tradição local, a imagem de Nossa Senhora da Paz foi transferida da Matriz de Ansião para uma pequena ermida existente em Constantina cerca de 1622, originando uma série de acontecimentos milagrosos no local. Por este facto, edificou-se um novo templo naquele lugar, que se tornou num centro de romagens, passando a ser administrado pela Confraria de Nossa Senhora da Paz, instituída no ano seguinte e confirmada por alvará de Filipe III editado em 1624.
A capela apresenta uma estrutura chã de gosto classicizante e linhas sóbrias. O corpo do templo é precedido por uma galilé alpendrada composta por dez colunas. A fachada apresenta ao centro o portal principal, de moldura rectangular, onde foi gravada no lintel a data de fundação, 1623, encimado por um nicho concheado ladeado por enrolamentos e encimado por um friso. O conjunto é flanqueado por duas janelas com grades de ferro.
O espaço interior de nave única é coberto por tecto de madeira, destacando-se no programa decorativo os retábulos laterais de talha de estilo nacional. O arco triunfal é gravado em toda a superfície com relevos de motivos geométricos e florões. A capela-mor é coberta por tecto de caixotões decorados com pintura de brutesco, no fecho dos quais foi pintado o símbolo da Dinastia de Bragança, tendo este conjunto sido realizado no período pós-Restauração. As paredes laterais são decoradas com telas alusivas ao Pecado Original e à Imaculada Conceição, "(...) que pela sua plasticidade técnica, de fraco teor regionalista, parecem situar-se no período joanino." (Idem, ibidem, p. 66).
Ao centro da capela-mor foi edificado o retábulo de gosto maneirista, num modelo de estrutura arquitectural de linhas chãs. Este conjunto retabular de talha dourada, decorado com relevos de motivos grotescos, integra cinco tábuas a óleo com temática alusiva à Vida da Virgem. As pinturas dividem-se pelos dois registos do retábulo, dispondo-se à volta da imagem de Nossa Senhora da Paz, colocada no nicho central. Ladeando a escultura foram colocadas a Visitação e o Aparecimento de Cristo à Virgem, correspondendo-lhes no registo superior a Imposição da casula a Santo Ildefonso, a Adoração dos Pastores e a Virgem com o Menino. Desconhecendo-se o autor das telas, executadas cerca de 1630, este conjunto de pintura maneirista de cariz regional, com uma "(...) linguagem de ambivalência entre o culto mariano e a contextualização filipina" (Idem, ibidem, p. 56), apresenta uma notória influência dos modelos tardo-maneiristas executados à época em Lisboa.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 20 de Julho de 2005

Imagens

Bibliografia

Título

O retábulo-mor da Capela de Nª Sª da Paz no lugar da Constantina, Revista Munda, nº 32

Local

Coimbra

Data

1996

Autor(es)

MALVA, Filomena

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. V (Distrito de Leiria)

Local

Lisboa

Data

1955

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos